Rio 2016 contará com centro antiterrorismo e agentes estrangeiros

  • Por Jovem Pan
  • 22/02/2016 11h47
Centro Olímpico no Rio de Janeiro

 A preocupação com o terrorismo fez o Brasil redobrar a atenção com segurança para as Olimpíadas e promover um intercâmbio com agentes internacionais. As autoridades brasileiras estão trocando informações com especialistas de todo o mundo, para o evento no Rio de Janeiro. Durante a competição haverá a implementação de um centro de inteligência com a participação de membros de mais de 100 países.

O coordenador do departamento contraterrorismo da Agência Brasileira de Inteligência, José Carlos da Cunha, explica como funcionará o intercâmbio: “Na Olimpíada, a agência vai implementar um centro de inteligência de serviços estrangeiros. Já temos a confirmação de aproximadamente 100 países e durante os jogos sempre terá a ligação de um serviço nesse tempo”.

O secretário extraordinário para grandes eventos do Ministério da Justiça, Andrei Passos Rodrigues, afirmou que o país vai utilizar e aperfeiçoar a experiência obtida com a Copa do Mundo. Em entrevista ao repórter Daniel Lian, Rodrigues destaca que a criação inédita do Centro Antiterrorismo vai ajudar nas ações: “Nós convidaremos policiais estrangeiros para virem ao Brasil e atuarem junto conosco, aqueles profissionais da área de segurança pública com know-how e informações para a troca de dados multi fluida para o enfrentamento ao terrorismo”.

Os policiais estrangeiros chegarão com antecedência ao país e trabalharão em conjunto com as autoridades brasileiras durante os jogos. Por serem mais de 10 mil atletas, as delegações terão uma proteção especial. Já foram realizados mais de 20 eventos teste relacionados à segurança.