Rivaldo fala da emoção de jogar com o filho e prevê Neymar melhor do mundo

  • Por Jovem Pan
  • 09/08/2015 14h53
MOGI MIRIM,SP,14.07.2015:MOGI-MIRIM-MACAÉ - Jogadores comemoram gol de Rivaldo Jr durante a partida entre Mogi Mirim SP e Macaé RJ válida pela Série B do Campeonato Brasileiro 2015 no Estádio Romildo Ferreira em Mogi Mirim (SP), nesta terça-feira (14). (Foto: Léo Santos/Futura Press/Folhapress)Rivaldo recebe um beijo de seu filho em partida em que os dois marcaram pelo Mogi Mirim

Neste domingo, Dia dos Pais, nada melhor para simbolizar a união entre pai e filho no futebol do que a história de Rivaldo e Rivaldo Jr, jogadores do Mogi Mirim que já marcaram gols no mesmo jogo. Em entrevista a Fausto Favara, da Rádio Jovem Pan, o craque de Palmeiras, Barcelona e Seleção Brasileira falou sobre a emoção de jogar ao lado do filho.

“É um momento muito, muito especial na minha vida. Eu já tinha parado há 15 meses, decidi voltar a jogar pela situação em que o clube estava. Teve essa possibilidade de jogar com ele como titular e em 45 minutos ele fez dois gols, eu fiz um de pênalti. É uma emoção muito grande, algo que vai ficar marcado em nossas vidas. Já ganhei muitos prêmios na vida, mas esse foi um especial que Deus me reservou”, disse Rivaldo, que revelou a ajuda do filho durante os jogos.

“Como é filho, ele sabe do sofrimento do pai durante a carreira, o sacrifício para poder jogar com o joelho anestesiado. Em muitos momentos ele diz: ‘pai, fica que eu vou’, e eu mando ele correr um pouquinho. É uma parceria, o filho vai sempre proteger o pai”, comentou. Lembrando da carreira, o craque lembra com carinho do Barcelona, time no qual jogar Neymar, sua aposta para ser o melhor do mundo.

“Pelo que ele está jogando, acredito que pode ser o melhor do mundo. Claro que lá (no Barcelona) tem o Messi, que é o cara da vez e até quando tem escanteio e falta quem bate é o Messi. Acredito que mais um ou dois anos o Neymar possa superar. Acredito que o Barcelona pode vender o Messi e aí o Neymar ser o melhor do mundo”, palpitou Rivaldo, que conquistou o prêmio em 1999.