Rivalidade futura e bateria antiaérea: 5 motivos para não perder Brasil x Paraguai

  • Por Jovem Pan
  • 26/06/2015 17h59
Firmino e Barrios: atacantes são destaques de Brasil e Paraguai na Copa América 2015

Brasil e Paraguai voltarão a se enfrentar em um jogo de quartas de final de Copa América após quatro anos. Em 2011, os paraguaios eliminaram a Seleção comandada por Mano Menezes nos pênaltis, e agora Dunga tem a possibilidade de dar o troco na mesma moeda.

Entretanto, este é apenas um dos atrativos da partida deste sábado (27), em Concepción. Outros destaques incluem a primeira partida da Seleção Brasileira em um jogo eliminatório desde o trágico fim da Copa do Mundo de 2014, o confronto de dois futuros rivais e estratégias para anular os pontos fortes do adversário.

Confira cinco motivos para não perder este jogão.

Primeiro mata-mata depois do 7 a 1. O confronto contra o Paraguai será a primeira partida eliminatória da Seleção Brasileira após o fatídico dia 8 de julho de 2014, quando ela sofreu sua maior humilhação. Na ocasião, o time de Felipão levou uma goleada de 7 a 1 para a Alemanha, no Mineirão, pela semifinal da Copa do Mundo.

Tentativa de revanche. O Paraguai foi o algoz do Brasil na última Copa América. No dia 17 de julho de 2011, também pelas quartas de final, as duas seleções empataram sem gols no tempo normal. Na decisão por pênaltis, os brasileiros fizeram feio: Elano, Thiago Silva, André Santos e Fred desperdiçaram suas cobranças e o Paraguai, que perdeu para o Uruguai na final, passou de fase.

Palmeiras x Corinthians. Numa Copa América em que jogadores que atuam em clubes brasileiros têm se destacado, o duelo entre Brasil e Paraguai deve colocar frente a frente dois (futuros) rivais. O corintiano Elias deve ser titular no time de Dunga, enquanto Lucas Barrios, contratado pelo Palmeiras recentemente, deve começar no banco mas entrar durante a partida, como tem feito o técnico Ramón Diaz – tanto que o atacante tem dois gols na competição.

Bateria antiaérea. O ponto forte do Paraguai é o jogo aéreo. Dois de seus quatro gols na competição nasceram de bolas levantadas na área – os dois foram marcados por Barrios. Por isso, Dunga montou uma verdadeira bateria antiaérea para o confronto: treinou exaustivamente sua defesa durante a semana para evitar este tipo de jogada e deve escalar David Luiz no meio de campo para ter mais estatura.

Tentativa de afirmação. Mais do que a vaga na semifinal, a Seleção Brasileira busca a afirmação nesta Copa América. Após uma série de bons resultados em amistosos, a equipe de Dunga não mostrou bom futebol no torneio até agora, especialmente diante da Colômbia. Uma vitória incontestável pode colocar o Brasil nos rumos; por outro lado, uma classificação suada deve aumentar ainda mais a desconfiança do torcedor.