Rivellino pede paciência à torcida, mas não aposta nem em G-4 ao Corinthians

  • Por Jovem Pan
  • 22/09/2016 14h59

Campeão mundial com a Seleção BrasileiraCampeão mundial com a Seleção Brasileira

O incrível enfraquecimento do Corinthians menos de um ano depois do hexacampeonato brasileiro deixou pessimista até mesmo um dos maiores ídolos da história do clube. Lenda alvinegra, Roberto Rivellino concedeu entrevista exclusiva a Nilson César, da Rádio Jovem Pan, defendeu Cristóvão Borges, pediu paciência à torcida, mas revelou: não considera o Corinthians forte o suficiente nem mesmo para conquistar uma vaga à próxima Libertadores via G-4. 

“Eu não vejo o Corinthians, hoje, brigando lá em cima no Campeonato Brasileiro. Se ganhar uma vaga à Libertadores, estará de muito bom tamanho. Mas eu não vejo nem essa vaga... Se o interino conseguir acertar o time, pode ser, mas eu vejo dificuldade grande para chegar ao G-4. A válvula de escape pode ser a Copa do Brasil”, afirmou Rivellino, em entrevista que vai ao ar, na íntegra, no próximo Plantão de Domingo, da Rádio Jovem Pan. 

Neste momento, o time de Parque São Jorge ocupa a quinta posição do Brasileiro, a quatro pontos do Santos, o quarto colocado. O problema, no entanto, é que o desempenho corintiano tem caído drasticamente nas últimas rodadas. Das nove partidas mais recentes da competição, a equipe alvinegra venceu apenas duas – e contra rivais frágeis, como Vitória e Sport, dentro de casa.

Cristóvão Borges foi demitido no último fim de semana, mas Rivellino descartou apontá-lo como responsável pelo mau momento corintiano. “Qualquer um que entrasse no Corinthians para substituir o Tite teria problemas”, disse o ídolo alvinegro. “Você não pode só botar na conta do Cristóvão, coitado. Tudo o que acontecia lá era culpa do Cristóvão…“, acrescentou. 

Rivellino também aproveitou para pedir calma à torcida corintiana. O time foi campeão brasileiro com extrema facilidade no ano passado e, apesar de ocupar a decente quinta colocação em 2016, tem motivado protestos por parte da Fiel“O corintiano tem que ter paciência, tranquilidade… Entender que o time foi campeão brasileiro há menos de um ano. Não é em toda temporada, também, que vai ganhar. Se um time ganhasse todo campeonato que fosse jogar, nem teria graça, disse. 

Por fim, o dono da patada atômica aprovou a mais recente decisão do presidente Roberto de Andrade: de bancar o auxiliar Fábio Carille como técnico até o fim do ano. Para Rivellino, com um técnico interino, diretoria corintiana ganha tempo para pensar em um nome para comandar o time em 2017 e, também, diminui a carga de expectativas da torcida sobre a equipe – incontestavelmente mais frágil que a que faturou o Brasileiro de 2015. 

“O Corinthians tomou a atitude correta, que foi a de trazer um interino, lá de baixo… A torcida vai ter mais paciência, porque não há um grau de exigência tão grande com relação ao Carille. Além disso, o presidente vai ter mais tempo para pensar em um novo técnico.  Tem que pensar um pouco por esse lado, também“, finalizou.