Romário revela que Del Nero está pedindo apoio a federações e quer Platini na Fifa

  • Por Jovem Pan
  • 02/06/2015 16h46
Reprodução/Site Oficial/Agência Senado Romário destacou que Platini tem envolvimento em esquemas na Fifa

O senador Romário Faria, uma das figuras mais emblemáticas do futebol nacional, expressou sua felicidade após a renúncia do presidente da Fifa Joseph Blatter e, depois da novidade, o parlamentar concedeu entrevista exclusiva à Rádio Jovem Pan para tratar dos desdobramentos que o escândalo de corrupção dentro da entidade máxima do futebol mundial vem gerando.

De acordo com o senador, o momento pelo qual o futebol está passando é positivo e ele aguarda por mais capítulos interessantes.

“Já está começando a tomar um ritmo diferente e é isso que seria necessário. Com a saída do Blatter, posso dizer que as coisas vão ficar menos complicadas do que se ele estivesse no comando”, disse Romário. “É claro que tudo isso que a gente tratou foi a polícia suíça, americana, e infelizmente não foi a nossa. Mas isso é o menos importante. O importante é que já começou. Dez já foram presos, um pediu renúncia, a Polícia Federal indiciou o Ricardo Teixeira”, prosseguiu.

Romário revelou que o atual presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF) Marco Polo Del Nero, está, em meio a esse momento turbulento, em uma reunião nesta terça (2) buscando apoio de federações para seguir como mandatário da entidade que comanda o futebol brasileiro.

“O Marco Polo Del Nero se encontra no Rio de Janeiro, se não me engano, em reunião com alguns presidentes de federações de norte e nordeste, pedindo ajuda para assinatura para que ele continue no cargo e que essas federações continuem apoiando ele. É só aqui no Brasil para acontecer isso”, frisou. “O que eu gostaria que acontecesse é que, em vez de esse senhor estar pedindo ajuda para os presidentes das federações, ele teria que estar anunciando sua retirada da CBF e, se possível, do futebol. Aí seria uma coisa maravilhosa, a gente iria definitivamente comemorar. A partir deste momento, seria um novo marco, uma nova era. As coisas que vêm acontecendo no futebol são coisas que têm feito mal para as pessoas que vivem do futebol e que amam o futebol”, pontuou.

O senador também ressaltou uma ideia sua de trazer grandes nomes da história da Seleção Brasileira para uma reunião, visando discutir e encontrar soluções para os problemas atuais do esporte.

“Eu gostaria de falar com vocês, estou fazendo convite a alguns ex-jogadores, por exemplo o Pelé, Gerson e Tostão, de 1970, Zico, Falcão e Cerezo, de 1986, Raí, Leonardo, Bebeto, Branco e Ricardo Rocha, de 1994, e Ronaldo, Ronaldinho, Rivaldo, Roberto Carlos, de 2002. Gostaria muito de ter um encontro com esses ídolos, para a gente conversar. Já que jogamos tantos anos e entendemos que o que está acontecendo não é correto, é uma maneira de a gente retribuir o carinho que tivemos como jogador. O povo brasileiro precisa ouvir um pouco esses que fazem parte desta história”, afirmou.

Sobre a possibilidade de Michel Platini assumir a Fifa após a saída de Joseph Blatter, Romário disse apoiar a ideia.

“Em relação ao Platini, se a gente for colocar por experiência, ele hoje, independentemente de ter sido um grande jogador, tem experiência por ter presidido a Uefa. É um nome que realmente poderá vir a suprir a ausência do Blatter. Apesar de que, do jeito que esse Blatter dirigia a Fifa, até minha filha poderia ser. Ele só queria roubar e roubar todo mundo sabe”, observou.