Sandro Rosell renuncia à presidência do Barcelona e vice assume o cargo até 2016

  • Por Jovem Pan
  • 23/01/2014 18h07
EFE/Albert OlivéSandro Rosell

Em entrevista coletiva concedida na tarde desta quinta-feira (23), o presidente do Barcelona, Sandro Rosell, renunciou ao cargo máximo do comando o clube catalão, depois das recentes críticas envolvendo a transferência de Neymar para o clube.

“Agora, uma justa e temerária acusação de apropriação indébita terminou nos tribunais. É por isso que minha etapa aqui chegou ao fim e apresentei à junta minha demissão como irrevogável”, disse Sandro Rosell. “Não quero que ataques injustos afetem a imagem do clube. Então a minha etapa aqui está encerrada”, completou.

No lugar de Rosell, que seguiria na presidência até 2016, ficará Josep Maria Bartomeu, que era vice-presidente e vai seguir no restante do mandato.

Falando com a imprensa logo depois do término do discurso de Sandro Rosell, Bartomeu ratificou seu desejo de dar prosseguimento ao trabalho iniciado pelo agora ex-presidente.

“Meu primeiro desejo é o de anunciar a continuação do trabalho da diretoria até 2016. Peço aos membros do clube que nos apoiem e encorajo a todos para continuarem a confiar neste projeto. Nos sentimos fortes e fomos a candidatura mais votada em 2010. Agradeço a confiança de seguir com esse trabalho”, declarou Josep Maria Bartomeu.

Pivô das acusações de apropriação indevida, Sandro Rosell está sendo investigado pela justiça espanhola, que acredita que existam irregularidades na transferência de Neymar para o Barcelona. Segundo acusações, o valor da negociação teria sido muito maior do que o divulgado e, de acordo com o jornal El Mundo, o Barcelona teria desembolsado 95 milhões de euros pelo então atacante santista, ou seja, 38 milhões de euros a mais do que o valor apresentado inicialmente.

Rosell se mostrou indignado com as acusações e alega que tudo foi realizado com responsabilidade.

“Desde o primeiro momento eu disse que a assinatura de Neymar Junior é correta e que a contratação despertou o desespero e a inveja de alguns de nossos adversários”, cutucou o mandatário. “O direito dos sócios de serem informados deve ser compatível com a defesa do clube e com a confidencialidade de alguns assuntos. Esta confidencialidade é essencial no mundo do futebol porque, caso contrário, ela pode levar a alguns danos ao próprio clube”, prosseguiu.

Por fim, em seu discurso de demissão, Sandro Rosell se disse feliz com sua passagem na presidência do Barça.

“Foi uma honra servia aos bercelonistas. Foi um privilégio ser presidente do Barcelona. Desejo o melhor ao novo presidente e peço aos sócios que deem todo o apoio a ele. Agradeço a todos os empregados do clube, aos jogadores e aos técnicos”, falou. “Meu agradecimento especial a todos aos diretores que me acompanharam nesta trajetória. E também a minha família. Eles, do começo ao fim, são a essência da minha vida. A parte mais importante. Viva o Barça e viva a Catalunha”, finalizou.