Santos, Mogi e Pacaembu: essa foi a combinação do primeiro gol de Neymar; relembre

  • Por Jovem Pan
  • 25/02/2016 15h27
alsa8 São Paulo 15/03/09 - ESPORTES - SANTOS E MOGI MIRIM - Santos enfrenta o Mogi Mirim na 14º rodada do Campeonato Paulista, em São Paulo no Estádio do Pacaembu. Na foto Neymar comemorando seu 1° gol com a camisa do Santos no time profissional. FOTO ANDRE LESSA/AE.Neymar marca seu primeiro gol como profissional e Santos vence Mogi Mirim por 3 a 0

O jogo da noite desta quinta (25) entre Santos e Mogi Mirim pelo Campeonato Paulista no Pacaembu traz boas lembranças ao santista mais atento. Isso porque há quase sete anos, em 15 de março de 2009, ninguém menos que Neymar fazia seu primeiro gol com a camisa alvinegra – e de sua carreira – em circunstâncias quase idênticas: contra o mesmo time e no mesmo estádio. O tento (ouça a narração Jovem Pan no áudio acima) foi o terceiro da vitória tranquila por 3 a 0 sobre o Mogi (PH Ganso e Roni fizeram os outros gols). Neymar já tinha estreado um fim de semana antes, entrando nos minutos finais contra o Oeste, no mesmo palco do Paulo Machado de Carvalho.

Se à época Neymar carregava apenas um cabelo simples raspado e muitas expectativas sobre os ombros, nos quatro anos seguintes, a “Joia” santista acumularia corpo (físico e de maturidade), vários penteados, 138 gols (em 230 jogos pelo Peixe), três títulos paulistas, uma Copa do Brasil, a tão sonhada reconquista da Libertadores, a Recopa Sul-Americana e o nome para sempre gravado na história do clube de Pelé.

Naquele mesmo ano, em 2009, Neymar já despontava como ídolo do futebol brasileiro e ajudava o santista a matar a saudade de Robinho, que fora para a Europa quatro anos antes. Nos meses seguintes, quando a torcida pedia sua titularidade ao lado da também promessa Paulo Henrique Ganso no Brasileirão, Neymar recebeu a alcunha de “filé de Borboleta”. O apelido foi dado por Vanderlei Luxemburgo, treinador que substituiu Vagner Mancini, este que de fato promoveu a estreia do menino franzino de 17 anos no Paulista.

O Santos chegou à final daquele torneio estadual, mas acabou perdendo para o Corinthians de Ronaldo, em confronto de gerações (Neymar x Fenômeno) que foi muito promovido à época. O time da baixada, porém, levantaria o caneco do Paulistão dos três anos seguintes (2010, 2011 e 2012), com Neymar no comando, igualando marca da histórica do time de Pelé (também campeão em 1960/61/62 e 1967/68/69).

Hoje, Neymar e Santos vivem épocas bem distintas.

Já consolidado como craque mundial e considerado o terceiro melhor jogador do mundo em votação da Fifa, Neymar busca seu segundo título da Liga dos Campeões da Europa com o Barcelona.

O Peixe, por sua vez, aposta na juventude e habilidade da nova safra, com Gabriel, Lucas Lima, Thiago Maia, Zeca e Gustavo Henrique, em busca do bicampeonato paulista.

Completando o clima saudosista de juventude, o ataque do Santos estará 12 anos mais jovem nesta quinta. Isso porque o artilheiro do Paulista e Brasileiro do ano passado, Ricardo Oliveira (35 anos), que está sendo negociado com um time chinês, não joga. O camaronês Joel, de 22 anos, o substitui.