Secretário nega que CBF esteja contra Liga Sul-Minas: “abertos à negociação”

  • Por Jovem Pan
  • 20/10/2015 12h54
SÃO PAULO,SP,09.09.2015:FÓRUM-NACIONAL-ESPORTE - O deputado Federal, Walter Feldman participa do 5º Fórum Nacional do Esporte, no Hotel Grand Hyatt, em São Paulo (SP), na manhã desta quarta-feira (9). (Foto: Renato S. Cerqueira/Futura Press/Folhapress)Walter Feldman afirmou que a CBF não está de acordo com a disputa da Liga Sul-Minas-Rio neste ano

Algumas questões afastam colocam obstáculos entre a CBF e a Liga Sul-Minas-Rio, mas para o secretário-geral da entidade, a Confederação não está contra o novo torneio. Em conversa exclusiva com o repórter Rodrigo Viga, da rádio Jovem Pan, Walter Feldman destacou que o presidente da CBF, Marco Polo Del Nero é simpático ao campeonato e explicou que a homologação da competição poderá ser dada após assembleia-geral.

“O que a Liga Sul-Minas-Rio pediu é aprovação, homologação, apoio. Aí tem algumas demandas judicias que falta cumprir para que a Liga entre no calendário. E isso ainda não foi cumprido. Como por exemplo, a questão dos direitos dos atletas. O calendário mexe na pré-temporada e no tempo entre duas partidas. E o calendário apresentado não resolveu esse impasse. Não dá para oficializar com questões como essa”, afirmou o secretário-geral da CBF, destacando que ao resolver a questão do calendário, certamente a Liga será aprovada.

“A CBF não tem poder pra tomar decisão como essa sem uma assembleia, então o presidente está convocando uma assembleia para a semana que vem. Aí não caberia questionamento”, completou Feldman.

Questionado sobre a posição da CBF e das federações estaduais sobre a criação da Liga, Feldman destacou que algumas entidades estão preocupadas, especialmente por medo de ver os estaduais perdendo força. Ainda assim, Feldman afirmou que Del Nero não é contra o novo torneio.

“A (Federação) do Rio, com certeza (é contra a Liga). De outros estados, a gente sabe que tem preocupações como enfraquecimento dos estaduais. Não saberia dizer, acho que tudo é superável com bom diálogo”, disse.

“O Marco Polo reiterou a posição dele simpática, favorável, desde que não tenho obstáculos jurídicos”, afirmou Feldman. “Continuamos abertos à negociação”, finalizou.