Sem braçadeira de capitão, T. Silva revela mágoa: “estou triste e é notável”

  • Por Jovem Pan
  • 17/11/2014 09h17

O zagueiro Thiago Silva não aprovou a entrada de Zúñiga em cima de Neymar

EFE Thiago Silva

Capitão da Seleção Brasileira de Felipão na Copa do Mundo de 2014, o Thiago Silva parece não ter a mesma moral com Dunga. O defensor do PSG perdeu a braçadeira para o atacante Neymar e revelou mágoa por não ter havido uma conversa prévia sobre a mudança. Apesar de estar chateado, o zagueiro revelou que está tentando se manter “o mais tranquilo possível”. Ele deve se manter no banco de reservas no amistoso diante da Aústria, nesta terça-feira (18), em Viena. 

Jovem Pan transmite todas as emoções do amistoso Áustria x Brasil, com narração de Nilson Cesar, reportagens de Marcio Spimpolo, e comentários de Bruno Prado e Felipe Motta. Intervalo fica por conta de Wanderley Nogueira. O Jovem Pan Online transmite, minuto a minuto, todos os lances da partida. Para acompanhar, acesse www.jovempan.com.br a partir das 16h (de Brasília).

Depois que Dunga reassumiu o controle da Seleção Brasileira, Neymar foi eleito capitão enquanto Thiago Silva permanecia fora das listas de Dunga por estar lesionado. O zagueiro retornou a lista de convocados, mas sem a braçadeira. “Não tem que partir de mim [conversa sobre a troca]. Não veio falar comigo [Neymar]. Não falei com ninguém, foi sem conversa. E é isso que deixa chateado. Nesse momento, falar para vocês que estou feliz, eu não estou. Momento triste, mas faz parte do futebol. Vou procurar fazer o meu trabalho para ajudar o grupo da melhor maneira”, disse. 

O defensor disse que não há como esconder o descontentamento, mas que está procurando se manter o equílibrio. “Parece que você perde um espaço, que te tiraram alguma coisa. Estou triste. É notável. Parece que te tiraram uma coisa que te pertencia. Na primeira vez que eu tive a chance de ter a braçadeira, quando o Robinho me passou e falou que era para mim ou para o Daniel Alves, eu não fiz a mínima questão de pegar porque o Daniel tinha mais tempo de Seleção do que eu. Alguns meses depois, o Mano perguntou se eu gostaria de ser o capitão e, de primeira, eu disse que sim. Quando você perde é doloroso. Estamos procurando estar o mais tranquilo possível, pensando um pouco para falar. O mais importante é eu estar bem comigo”, declarou. 

Um dos mais experientes do elenco, o zagueiro tem se apoiado em amigos próximos, que preferiu não revelar. “Estou ficando mais reservado. Não quero colocar ninguém no meio. Tenho conversado com alguns jogadores mais próximos, mas não vou falar nomes para que eles não venham a sofrer”, finalizou.