Sem muito esforço, seleção brasileira goleia o Panamá em Goiânia: 4 a 0

  • Por Agencia EFE
  • 03/06/2014 18h15

Goiânia, 3 jun (EFE).- Com uma atuação segura diante de um adversário que não impôs muita resistência, a seleção brasileira goleou o Panamá por 4 a 0 nesta terça-feira no estádio Serra Dourada, em Goiânia, no penúltimo amistoso na preparação para a Copa do Mundo.

O Brasil até demorou para se achar na partida, mas engrenou a partir dos 25 minutos do primeiro tempo. Neymar e Daniel Alves balançaram a rede antes do intervalo, enquanto Hulk e Willian completaram o placar elástico na segunda etapa.

Neymar foi o grande destaque da vitória, com um gol e participação em outros dois. Também mereceu menção a segurança adquirida pelo sistema defensivo a partir da segunda metade do duelo, apesar do pouco poder de agressão do time do técnico Hernán Darío Gómez.

O amistoso em Goiás serviu para preparar a equipe de Luiz Felipe Scolari principalmente para o jogo contra o México, o segundo pelo grupo A do Mundial, no próximo dia 17. Antes disso, na próxima sexta, a seleção medirá forças com a Sérvia, no Morumbi, a última partida antes da abertura da Copa, diante da Croácia, marcada para seis dias depois.

Felipão teve três desfalques para montar o time titular: o zagueiro Thiago Silva e os volantes Paulinho e Fernandinho. Com isso, o treinador escalou uma equipe mais ofensiva, com Ramires no meio ao lado de Luiz Gustavo e Oscar. Na defesa, Dante jogou ao lado de David Luiz, que usou a braçadeira de capitão.

Para o Panamá, o jogo foi o segundo sob o comando do colombiano Hernán Darío Gómez. O primeiro foi o empate contra a Sérvia em 1 a 1, no último sábado. É um recomeço para a equipe, que esteve perto do Mundial deste ano, mas sofreu uma derrota para os Estados Unidos por 3 a 2 de virada na última rodada das Eliminatórias da Concacaf, abrindo espaço para mais uma participação do México.

O Brasil teve dificuldades no começo do amistoso, que, para surpresa da maioria, teve os panamenhos mais presentes no ataque. Contudo, o melhor lance nesse domínio inicial foi uma jogada individual de Machado, que passou por dois na ponta direita, mas adiantou demais e sequer conseguiu cruzar.

A fragilidade da defesa, que rendeu críticas de Scolari no último domingo, ficou nítida em alguns momentos. A equipe visitante tinha espaços e eram parados com muitas faltas. David Luiz recebeu cartão amarelo ainda no começo.

Com pouca inspiração da equipe como um todo, veio à tona o talento de Neymar para tirar o peso do amistoso. Aos 25 minutos, o camisa 10 fez boa jogada individual e foi parado com falta a um passo da área. Ele mesmo cobrou no ângulo direito e marcou um lindo gol.

Pouco depois, aos 27, Neymar protagonizou mais um bonito lance. O jovem craque deu uma caneta em Baloy na ponta esquerda e cruzou para Fred, que não conseguiu pegar em cheio de cabeça.

A pressão “pós-gol” continuou até os 31, quando Neymar inverteu na ponta direita para Hulk, que teve o cruzamento bloqueado. Na sobra, Daniel Alves encheu o pé e também carimbou a defesa.

O ritmo voltou a cair, mas, mesmo trocando passes mais lentamente, o Brasil aumentou a vantagem justamente com Daniel Alves, aos 38. O lateral foi acionado na entrada da área, dominou e chutou no cantinho direito.

Com troca nas duas laterais e a entrada de Hernanes na entrada de Ramires, a seleção voltou com tudo do vestiário e fez o terceiro gol logo com um minuto no segundo tempo, com Hulk. Neymar tocou de calcanhar para o jogador do Zenit São Petersburgo, que chegou chutando no canto esquerdo.

O quarto gol poderia ter saído dois minutos depois, mas Fred, bastante apagado na maior parte da partida, falhou na conclusão. Neymar deixou a marcação na saudade pela direita e cruzou para o centroavante, que, livre, cabeceou muito por cima.

Aos dez minutos, a torcida no Serra Dourada levou um susto. Quintero aproveitou cruzamento da direita e cabeceou firme. Julio César escorregou, mas se recuperou e espalmou para fora. A resposta foi dada aos 14, quando houve bate-rebate dentro da área panamenha e David Luiz cabeceou tirando tinta da junção entre a trave esquerda e o travessão.

À medida que os treinadores foram mexendo nas equipes, o ritmo foi caindo. David Luiz quebrou a inércia com um chute de muito longe em cobrança de falta, aos 23, mas Calderón defendeu em dois tempos.

Em ritmo de treino, o quarto gol saiu aos 28, com participação de dois jogadores que começaram na reserva. Neymar avançou pelo meio e adiantou para Maxwell, que cruzou por baixo. Willian apareceu pela direita e bateu no contrapé do goleiro.

Aos 35, o Brasil chegou a ter um pênalti a seu favor, em um lance confuso, mas a arbitragem voltou atrás. Henrique cabeceou na trave e, na volta, Gómez colocou a mão na bola. Raúl Orosco marcou a penalidade e expulsou o defensor, mas voltou atrás, assinalando um impedimento que não houve.

A jogada não abalou os brasileiros, que tiveram total controle das ações nos últimos instantes do amistoso e sequer deixavam o adversário passar do meio de campo. A melhor tentativa antes do apito final foi de Neymar, que tabelou com Jô e finalizou a milímetros do poste direito.

.

Ficha técnica:.

Brasil: Julio César; Daniel Alves (Maicon), David Luiz (Henrique), Dante e Marcelo (Maxwell); Luiz Gustavo, Ramires (Hernanes) e Oscar (Willian); Hulk, Neymar e Fred (Jô). Técnico: Luiz Felipe Scolari.

Panamá: McFarlane (Calderón); Machado, Baloy, Román Torres (Cummings) e Caroll (Rodríguez); Gómez, Henríquez, Cooper (Jiménez) e Quintero (Gabriel Torres); Tejada (Nurse) e Muñoz. Técnico: Hernán Darío Gómez.

Árbitro: Raúl Orosco (Bolívia), auxiliado pelos compatriotas Efraín Castro e Javier Bustillos.

Cartões amarelos: David Luiz e Neymar (Brasil); Tejada, Cooper e Gómez (Panamá).

Gols: Neymar, Daniel Alves, Hulk e Willian (Brasil).

Estádio: Serra Dourada, em Goiânia. EFE