Sem vida fácil: no dia do árbitro, relembre cinco tombaços dos donos do apito

  • Por Jovem Pan
  • 11/09/2015 12h17
Montagem/Folhapress Em momento polêmico no Brasil

Xingados, culpados, julgados e as vezes afastados, os árbitros brasileiros vivem um dos períodos mais polêmicos da história. Muito contestados e, para muitas pessoas, mal dirigidos, os donos do apito têm neste dia 11 de setembro uma data comemorativa: o dia do árbitro.

Vivendo um período turbulento por conta dos inúmeros erros nos jogos do Campeonato Brasileiro, os homens de preto são lembrados, quase sempre pelas decisões equivocadas, mas também por outras trapalhadas nas partidas.

Muitas vezes, os juízes são vitimas de acaso, acabam caindo ou levando boladas para alegria dos torcedores nas arquibancadas que não perdoam os responsáveis pela condução dos jogos.

No dia dos árbitros, o Jovem Pan Online separou cinco momentos em que os homens do apito foram surpreendido com tombos inesquecíveis, pelo menos para eles. Confira:

Em 2014, Valência e Granada jogavam pelo Campeonato Espanhol e num contra-ataque da equipe valencianista, o juizão resolveu “dar um carrinho” que desarmou a jogada.

 

Para um árbitro, cair em uma partida deve ser horrível. Cair após um “drible” do Felipe Menezes deve ser pior ainda. Foi o que aconteceu com o juiz de Palmeiras e Avaí em 2014.

 

Muitas vezes, a pressa de sair da trajetória da bola leva o árbitro ao chão, foi o que aconteceu com o juiz de Vasco e grêmio em 2006.

 

Bandeirinhas estão imunes aos tombos? Não. E as mulheres? Também não. Na partida em Atlético Goianiense e Paraná, a auxiliar Nadine Schramm foi mais uma vitima do acaso.

 

Na Libertadores de 2013, o São Paulo perdeu para o Arsenal na Argentina e o árbitro certamente se lembra bem da partida.