Sérvia apresenta à Albânia protesto por incidente com drone em estádio

  • Por Agencia EFE
  • 15/10/2014 17h36
Partida entre Albânia e Sérvia é suspensa após briga e tentativa de invasão

Ministério das Relações Exteriores da Sérvia entregou nesta quarta-feira uma nota de protesto à Albânia pelo que chamou de provocações no jogo entre as seleções dos dois países nesta terça, em Belgrado, pelas Eliminatórias para a Eurocopa de 2016, que foi suspenso ainda no primeiro tempo, e disse que confia que Tirana condenará o ocorrido.

A partida foi interrompida aos 42 minutos da etapa inicial pelo árbitro inglês Martin Atkinson depois que um drone com uma bandeira da Grande Albânia, o que acarretou em uma confusão generalizada no gramado no estádio FK Partizan.

A Grande Albânia é um conceito irredentista promovido por ultranacionalistas albaneses e inclui regiões de Montenegro, Grécia e Macedônia, além da própria Sérvia.

“Os incidentes, evidentemente planejados com zelo, deterioram seriamente os esforços para edificar relações de confiança e cooperação na região (balcânica)”, disse o Ministério sérvio no documento de protesto entregue ao embaixador albanês em Belgrado.

“A Sérvia não tolerará as provocações e espera a condenação dos incidentes por parte dos dirigentes albaneses como um primeiro passo indispensável para os problemas sejam superados”, acrescenta a nota.

Depois de ter derrubado a bandeira do drone, o meia sérvio Stefan Mitrovic foi cercado por vários jogadores albaneses, o que deu início a uma confusão.

A imprensa sérvia informou nesta quarta que Olsi Rama, irmão do primeiro-ministro da Albânia, Edi Rama, foi interrogado por cerca de 40 minutos por ser suspeito de ter controlado o drone de dentro do camarote do estádio destinado às autoridades.

O jogo era considerado de máximo risco devido à tensão política entre os dois países pelo conflito do Kosovo, uma antiga província sérvia povoada majoritariamente por albaneses étnicos que se tornou independente unilateralmente em 2008. O incidente aconteceu a uma semana de uma visita de Edi Rama a Belgrado, a primeira de um chefe de governo albanês à Sérvia em 70 anos.

O primeiro-ministro da Sérvia, Aleksandar Vucic, chamou o ocorrido no FK Partizan como “a mais séria provocação” destinada a causar uma duradoura desestabilização nos Bálcãs ocidentais, e uma tentativa de “humilhar o povo sérvio”. Por sua vez, o presidente do país, Tomislav Nikolic, que estava no local da partida, considerou ser “um atentado ao estabelecimento das relações de amizade entre Sérvia e Albânia”.

A Uefa iniciou um processo disciplinar contra as federações de futebol dos dois países para averiguar o que ocorreu e, se acreditar necessário, tomar medidas adequadas. Espera-se e uma decisão para a próxima semana.

As partes negaram até agora a responsabilidade nos incidentes. Tanto Sérvia quanto Albânia são países candidatos a entrar na União Europeia.