Sevilla vence Benfica nos pênaltis e conquista título da Liga Europa

  • Por Jovem Pan
  • 14/05/2014 18h36
Confira as emoções da final da Liga Europa

Bicampeão da Copa da Uefa em 2005/2006 e 2006/2007, o Sevilla está novamente entre os protagonistas do futebol internacional. Nesta quarta-feira, após empatar por 0 a 0 com o Benfica, no Juventus Stadium, o clube espanhol triunfou por 4 a 2 nas cobranças de pênalti e assegurou o título da Liga Europa. Os atacantes Óscar Cardozo e Rodrigo desperdiçaram as cobranças para o time lusitano.
 Com este resultado, o time lusitano mantém jejum de títulos continentais. A última vez em que a equipe portuguesa conquistou um troféu europeu foi em 1961/1962, quando ainda tinha em seu elenco o atacante Eusébio e triunfou na Liga dos Campeões. Na última temporada, também foi vice-campeã da Liga Europa, sucumbindo por 2 a 1 diante do Chelsea. O Sevilla, por sua vez, chega ao seu terceiro título da competição nos últimos dez anos, sendo os dois primeiros em 2005/2006 e 2006/2007, quando ainda era conhecida como Copa da Uefa.

Já campeão nacional e da Copa da Liga, o Benfica ainda tem chance de consolidar grande temporada e chegar ao seu terceiro título. Neste domingo, às 13h15 (de Brasília), o clube lisboeta mede forças com Rio Ave, em partida válida pela final da Taça de Portugal. Já o Sevilla encerra sua participação nesta temporada diante do Elche, também neste domingo, às 16 horas (de Brasílai), no Estádio Ramón Sánchez, em duelo pelo Campeonato Espanhol.

O jogo- Em busca de encerrar jejum de títulos continentais que já dura 52 anos, o Benfica entrou em campo sem poder contar com algumas opções nesta quarta-feira. Suspensos, os atacantes Markovic e Salvio desfalcaram o setor ofensivo, assim como o meio-campista Enzo Pérez, que acabou substituído pelo sérvio Miralem Sulejmani. O Sevilla, por outro lado, não contou com Sampeiro, também suspenso.

Apoiado pela maioria dos torcedores presentes no Juventus Stadium, o time português tentou controlar as ações ofensivas no começo do embate. Entretanto, apesar da maior posse de bola nos minutos iniciais, não conseguiu chegar com perigo ao gol defendido por Beto. Sulejmani, com dores no ombro direito após sofrer falta de Moreno, precisou deixar o gramado aos 24 minutos, dando vaga ao também meio-campista André Almeida.

Pelo lado da equipe espanhola, Ivan Rakitic se destacava na construção de jogadas, principalmente pela velocidade nos contra-ataques. Mais recuado, M’Bia era o destaque nos desarmes. O desempenho do croata, porém, não foi suficiente para alterar o ritmo de jogo, que era atrapalhado pelo alto número de faltas no primeiro (11 do Sevilla e 12 do Benfica).

Na volta para etapa complementar, o time comandado pelo treinador Jorge Jesus ficou muito próximo de abrir o placar. Logo aos quatro minutos, Lima recebeu passe livre, do lado esquerdo da área. O atacante conseguiu chutar e deslocar Beto, mas a zaga do Benfica, quase em cima da linha, impediu que a bola entrasse. Três minutos mais tarde, foi a vez de a equipe espanhola, com Reyes, quase tirar o zero do marcador em território italiano.

Empolgado com o lance protagonizado por Reyes, o Sevilla se lançou ao campo de ataque e tentou sufocar o setor defensivo do Benfica com sua marcação. Recuada, a equipe lisboeta encontrava grandes dificuldades para sair jogando, principalmente pelo lado direito. O goleiro Oblak, bem posicionado, realizou boas defesas em novas finalizações do adversário. Após suportar a pressão, o Benfica retomou o maior controle ofensivo e também passou a ameaçar o adversário. Lima e Rodrigo faziam boa parceria no ataque, mas falhavam no momento de finalizar. Com isto, o confronto acabou indo para a prorrogação, que apresentou ritmo pouco intenso por causa da situação física dos atletas e também terminou empatada.

Incapazes de balançar as redes em 120 minutos de disputa, os clubes tiveram que decidir o campeão da Liga Europa desta temporada nos pênaltis. Enquanto Bacca, M’Bia, Coke e Gameiro converteram para os espanhóis, apenas os brasileiros Lima e Luisão tiveram êxito pela equipe lusitana. Importantes na conquista dos outros dois títulos, Cardozo e Rodrigo pararam nas mãos de Beto, que, adiantado, garantiu o troféu ao time comandado por Unai Emery.