Stoichkov revela torcida para Argentina por causa de Messi

  • Por EFE
  • 11/07/2014 10h55

Messi converte seu pênaltiConfira as emoções de Argentina x Holanda em São PauloMessi converte seu pênalti

O búlgaro Hristo Stoichkov, artilheiro da Copa do Mundo de 1994, admitiu em entrevista à Agência Efe, concedida no Rio de Janeiro, que está torcendo pela Argentina, devido a possibilidade de Lionel Messi conquistar o primeiro título da competição.

“É o melhor jogador do mundo. Ganhou títulos que nenhum jogador pode conquistar. No domingo, espero que seja o jogador que levantará a Copa no Maracanã”, disse o ex-atacante do Barcelona.

Para Stoichkov, Messi não conhece a palavra “pressão”, porque superou todas as marcas possíveis já faz bastante tempo, além disso, a chegada precoce ao Barça serviu para prepará-lo para grandes desafios.

“Chegou ao clube com 12 ou 13 anos. Segue com a mesma mentalidade e a mesma humildade. Claro que, quando começam a dizer barbaridades, ele se fecha para não respondê-las”, avaliou.

Stoichkov, que em 94 caiu com a seleção búlgara nas semifinais da Copa, eliminado pela Itália, disse que não se interessa pelo mau desempenho da Argentina ao longo da competição, e sim pelo título que pode ser conquistado na partida com a Alemanha.

“O que importam são os resultados. São sete jogos, é tiro curto. É diferente quando você joga 38 partidas na temporada. Agora é mais importante o resultado do jogo”, garantiu.

Perguntado sobre a grande decepção desta Copa do Mundo, o ex-companheiro de Romário no Barcelona, voltou seus olhos para fora dos gramados, criticando a Fifa e o ex-presidente Lula.

“A maior das decepções é (Joseph) Blatter, que mentiu para 200 milhões de pessoas. Há estádios que depois da Copa não serão utilizados. O povo está nas ruas protestando porque não pode ser assim”, afirmou.

“A atual presidente (Dilma Rousseff) não tem culpa. Quem tem é o presidente anterior (Lula), quando assinou o contrato. Também o presidente da CBF (José Maria Marin), o ex-presidente (Ricardo Teixeira). Há muitos culpados”, completou.