Sun Yang passa mal e não disputa final em Kazan após incidente com brasileira

  • Por Agencia EFE
  • 09/08/2015 16h19

Redação Central, 9 ago (EFE).- O chinês Sun Yang, atual campeão olímpico e recordista mundial dos 1.500m livre e que teria tentado agredir uma nadadora brasileira em um treino na manhã deste domingo, ficou fora da final desta prova no Mundial de Esportes Aquáticos de Kazan, na Rússia, por não ter se sentido bem durante o aquecimento.

Yang, que já havia vencido os 400m e 800m livre neste Mundial e foi medalhista de prata nos 200m, se envolveu em uma forte discussão com representantes da delegação brasileira após puxar o pé da brasileira e passar por cima dela enquanto treinavam na mesma raia, além de ter tentado lhe dar uma cotovelada.

A agressão foi relatada formalmente pela equipe brasileira à Federação Internacional de Natação (Fina). Em entrevista coletiva, Yang e a delegação chinesa não quiseram comentar o episódio. O nadador justificou sua ausência alegando que não se sentiu bem após o aquecimento.

O astro chinês está no centro de uma polêmica por doping desde o ano passado, quando a federação de seu país divulgou que ele foi flagrado em um exame que acusou a presença de um estimulante proibido e cumprido suspensão de três meses. No entanto, a entidade não explicou diversos detalhes que ainda estão pendentes sobre o caso, como quando o teste foi realizado.

Sem Yang, o italiano Gregorio Paltrinieri venceu os 1.500m e quebrou o recorde europeu, com tempo de 14min39s67. Após a prova, ele disse que foi complicado lidar com os minutos em que os nadadores ficaram na sala de espera sem que Sun Yang aparecesse para competir.

“Todos ficamos pensando onde ele estava e o que estava acontecendo”, disse Paltrinieri, que após saber que o chinês não disputaria, decidiu mudar radicalmente sua tática e forçar o ritmo desde a largada.

Yang não participou da prova, mas posteriormente apareceu na piscina para receber o prêmio de melhor nadador do Mundial entre os homens. O prêmio feminino foi entregue à americana Katie Ledecky. EFE