Super heróis? Relembre jogadores que se tornaram “mascarados” após lesões

  • Por Jovem Pan
  • 15/02/2016 13h13
EFE Relembre jogadores que se tornaram “mascarados” após lesões

Elas não são bonitas, não dão superpoderes aos que utilizam, mas são exatamente úteis para os atletas que se lesionam e não querem deixar de ajudar suas equipes. Feitas de fibra de carbono, as máscaras que protegem os jogadores após lesões na face se tornaram moda no futebol e até mesmo em outros esportes.

O mais recente jogador a utilizar a proteção foi Diego Costa, atacante do Chelsea, que sofreu fratura no nariz durante treinamento com a equipe de Londres.

Os choques na cabeça são cada vez mais comuns no futebol e lesões no rosto infelizmente tem atormentado muitos atletas. É nessa hora que as máscaras permitem que os lesionados voltem a atuar, mesmo sem estar com o machucado 100% recuperado.

O zagueiro brasileiro Thiago Silva, por exemplo, utilizou a proteção por um longo tempo após sofrer pequena fratura no lado esquerdo do rosto. Atormentado por lesões ao longo de sua carreira, o meia Renato Augusto foi mais um a utilizar o objetivo depois de sofrer um afundamento de um osso em sua face.

Acostumado a utilizar um capacete depois de sofrer um choque com a trave, o goleiro Petr Cech, na época defendendo o Chelsea, também sofreu problema no rosto e preciso utilizar a máscara. Assim como os meias Ramires e Fábregas, que também utilizaram a proteção para defender os Blues. A proteção se mostrou eficiente e até estrelas do basquete passaram a utilizá-la na NBA: Kobe Bryant e LeBron James foram alguns dos craques do basquete norte-americano que se proteger com o objeto após lesões.