Tabu, desgaste e torcida: o caminho das pedras dos paulistas na Copa do Brasil

  • Por Jovem Pan
  • 22/09/2015 15h38
Palmeiras

São Paulo, Santos e Palmeiras, os três times paulistas sobreviventes na Copa do Brasil, começam nesta quarta-feira (23) as batalhas rumo às semifinais da competição. Os adversários serão Vasco, Figueirense e Internacional, respectivamente. Cada adversário tem sua particularidade e oferece perigos que podem interromper o sonho dos paulistas, que brigam por uma vaga na Libertadores tanto via Copa do Brasil quanto via Campeonato Brasileiro.

O Jovem Pan Online fez análises de cada confronto nas quais tenta desvendar quais serão as pedras que os três rivais encontrarão na busca para seguir vivos na competição.

São Paulo x Vasco

O risco de um desacreditado emergente

O Vasco era a piada do futebol brasileiro, dado como “morto” e rebaixado no Campeonato Brasileiro, mesmo mantendo-se vivo na Copa do Brasil. Por isso, os são-paulinos comemoraram o resultado do sorteio que colocou o Tricolor diante do cruz-maltino nas quartas da Copa do Brasil. Mas, 22 dias depois, a situação é bem diferente.

Com três vitórias e um empate nas últimas quatro partidas, o Vasco deixou a lanterna do Brasileirão e começa a vislumbrar o que antes parecia impossível: sair da zona de rebaixamento. O São Paulo faz o movimento contrário: mesmo tendo vencido o Grêmio há três rodadas, tropeçou duas vezes na sequência, contra Chapecoense em casa e Avaí fora, e vive má fase. A desconfiança em relação à regularidade tricolor gera outro problema.

Ajudar ou atrapalhar: qual será o papel da torcida são-paulina?

Os torcedores presentes no Morumbi na última quinta-feira vaiaram o São Paulo após o empate sem gols com a Chapecoense. A atitude gerou reações do técnico Osorio, que criticou o baixo número de pessoas no estádio (por volta de 15 mil) e a falta de apoio. “Um verdadeiro torcedor aplaude e torce por sua equipe do começo ao fim, e depois critica. Aqui sofremos muito com isso”. O zagueiro e volante Breno fez um pedido: “na Europa, as torcidas não deixam de apoiar, mesmo nas derrotas Gostaria que a torcida do São Paulo nos ajudasse assim amanhã (quarta). Ela tem de ser o nosso 12º jogador”.

No confronto entre um São Paulo que não passa confiança e um Vasco em ascensão, a contribuição da torcida tricolor pode ser determinante para a equipe conquistar um resultado positivo que a deixe em vantagem para o jogo da volta no dia 30.

Figueirense x Santos

A luta contra o desgaste (ou: O adversário agora é outro)

Depois de uma arrancada espetacular no Campeonato Brasileiro, o time do Santos tem sentido dificuldades contra outro adversário além das equipes que enfrenta em campo: o cansaço. Com um elenco não muito numeroso nem equilibrado, o Peixe mostrou claramente estar em outro ritmo ao enfrentar o Corinthians às 11h do último domingo pelo Campeonato Brasileiro.

Figueira tenta fazer o Orlando Scarpelli “reviver”

Um dos grandes trunfos do Figueirense sempre foi a dificuldade encontrada pelos adversários para vencê-lo em seu estádio, o Orlando Scarpelli. No entanto, o alçapão catarinense não parece ser mais o mesmo: a última vitória conquistada dentro dele foi no dia 26 de agosto, contra o Atlético-MG, pela Copa do Brasil. Por isso, a torcida pode tentar fazer reviver essa força da equipe jogando em seus domínios.

Portanto, um bom resultado fora de casa pode praticamente assegurar a classificação do Santos para a semifinal da Copa do Brasil.

Internacional x Palmeiras

O tabu que entra em campo

Dos três times paulistas, o Verdão é o único que vem de vitória na última partida. Melhor que isso: venceu seus últimos três compromissos pelo Campeonato Brasileiro. No entanto, o Internacional também pode se encher de confiança ao lembrar-se de um enorme tabu: não perde para o Alviverde no Beira-Rio desde 6 de dezembro de 1997, há quase 18 anos. Na ocasião, Wágner fez o gol do triunfo verde.

O último confronto entre as equipes no atual Brasileirão foi há poucos dias: em 9 de setembro, o Colorado venceu com um gol de Nílton. O comportamento do Verdão diante dessa marca incômoda e o resultado no Beira-Rio pode determinar a permanência ou não do sonho do tricampeonato da Copa do Brasil. Com isso, um empate em Porto Alegre seria um bom resultado.

Os insistentes “gols bobos”

Depois de quase todos os jogos do Palmeiras nos últimos meses, o discurso do treinador Marcelo Oliveira e dos jogadores é o mesmo: a necessidade de parar de levar gols em falhas bobas da defesa. Até porque o ataque, o melhor do Brasileirão com 48 gols marcados, cumpre bem seu papel. No entanto, mesmo com três vitórias consecutivas, a defesa alviverde segue dando mole e praticamente entregou de graça gols a Fluminense e Grêmio.

Com atacantes rápidos e habilidosos como Valdivia e Vitinho e uma bola parada muito perigosa, o Inter colocará a zaga palmeirense em um teste de fogo na partida desta quarta-feira.