Time comandado por David Beckham deve se tornar “vizinho” do Miami Heat

  • Por Agencia EFE
  • 22/05/2014 19h54

Miami, 22 mai (EFE).- O grupo investidor Miami Beckham United, liderado pelo ex-jogador inglês David Beckham, anunciou nesta quinta-feira sua intenção de comprar um terreno ao lado do ginásio do time de basquete Miami Heat para construir o futuro estádio da equipe que disputará a MLS, a liga de futebol dos Estados Unidos.

O boliviano Marcelo Clauré, um dos principais sócios de Beckahm nesta iniciativa, explicou à Agência Efe que o grupo tinha chegado a um acordo com o prefeito de Miami, Tomás Regalado, e o do condado de Miami-Dade, Carlos Giménez, para “seguir com o projeto de trazer o estádio para o lado da American Airlines Arena”.

No entanto, a construção do estádio no local no centro da cidade ainda precisa ser aprovada antes em uma consulta popular que será realizada nas eleições de novembro.

“Acho que este é um começo para tentar convencer os cidadãos de Miami a votarem a favor de um projeto desta magnitude”, comentou Clauré.

O grupo investidor aceitou a proposta de Giménez de se instalar em frente à baía de Miami, depois da ferrenha oposição tida por seus planos iniciais de erguer a arena no porto de Miami.

Os terrenos juntos ao ginásio do Miami Heat fazem parte da extensão do Museum Park, ao lado do Museu de Arte Pérez e do futuro Museu da Ciência, mas incluem uma ampla faixa de mar que terá de ser aterrada antes do início das obras.

“Este não é o plano B, é um plano que não existia. Nosso plano original era para o porto, mas encontramos um lugar que satisfazia os requerimentos que tínhamos imposto”, apontou o empresário, em referência ao estádio estar no centro da cidade, com vista para o mar e conexões com o transporte público.

Clauré afirmou ainda que a MLS exige a presença de um estádio no centro da cidade e destacou que se não for assim, não existirá futebol no sul da Flórida.

Segundo ele, o projeto, cujo orçamento ainda não está determinado, beneficiará a cidade e melhorará a vida da população. “Se vermos os grandes estádios, hoje em dia veremos que foram construídos nos centros das cidades pela simples razão de existirem restaurantes, cafés e diferentes lugares para que os espectadores estejam entretidos antes e depois do jogo”, argumentou.

Marcelo Clauré salientou que a iniciativa da equipe da MLS em Miami e a construção do estádio será feita com dinheiro próprio e não pedirá nenhuma contribuição para órgãos públicos.

De acordo com seus planos, o grupo investidor apresentará em junho para a direção da MLS um projeto fixado definitivamente sobre o lugar onde previsivelmente a arena será construída. EFE

ab/abs/dr