Times brasileiros acumulam fracassos nas fases iniciais da Libertadores

  • Por Guilherme Gomes/Jovem Pan
  • 03/02/2015 09h38
Cinco fracassos brasileiros na Libertadores da América

O Brasil é um dos grandes campeões da Taça Libertadores da América. Somando-se os títulos de todas as equipes, o número chega a 17 conquistas, seis a menos que os argentinos, que com 23 troféus ainda contam com o maior campeão do torneio, o Independiente, com sete títulos.

Embora o histórico das participações seja bom, os brasileiros protagonizaram diversos fracassos em algumas edições da competição, que é prioridade no calendário dos grandes clubes nacionais. Conheça sete vexames do Brasil no torneio sul-americano.

São Paulo – 1987

Recheado de craques, como Gilmar, Muller e Careca, o tricolor paulista ficou pelo caminho na Libertadores de 1987. Em um grupo composto por dois chilenos: Cobreloa e Colo-Colo, além de um brasileiro, o Guarani, o São Paulo ficou na última colocação da chave, conquistando apenas uma vitória. Foi a única vez que o maior campeão brasileiro em Libertadores, ao lado do Santos, saiu da competição na primeira fase.

Internacional – 1993

Campeão da Copa do Brasil de 1992, o Internacional entrou na Libertadores em uma chave com três campeões: Flamengo, América de Cali e Atlético Medellín. Os gaúchos não venceram sequer uma partida e terminaram a competição com três pontos, conquistados em três empates, além de a defesa ter sofrido nove gols, a terceira pior da competição.

Internacional – 2007

Na Libertadores de 2007, o Internacional não conseguiu manter o mesmo sucesso obtido no ano anterior, quando se sagrou campeão. Ainda na primeira fase e mesmo com dez pontos conquistados, os gaúchos foram eliminados pelo saldo de gols. Com gol de Fernandão, o Inter venceu o Nacional, na última rodada, por 1 a 0, mas não foi suficiente para tirar a vantagem do time uruguaio (4 a 0).

Flamengo – 2008

Após a conquista do campeonato estadual e da boa vitória por 4 a 2 no jogo de ida, o Flamengo entrou relaxado para a partida de volta das oitavas de final contra o América-MEX, no Maracanã. Mesmo podendo perder por dois gols de diferença, os rubro-negros não conseguiram administrar a vantagem adquirida e assistiram ao gordinho Cabañas marcar duas vezes e ainda assistir Esqueda, que fechou o 3 a 0 e decretou a eliminação rubro-negra.

Corinthians – 2011

Ainda em busca de sua primeira conquista sul-americana, o Corinthians entrou em campo pela pré-libertadores de 2008, diante do Tolima-PER. O que eram consideradas duas partidas de baixo nível de dificuldade se tornou um grande vexame corinthiano. Mesmo com a presença de Ronaldo, a equipe alvinegra não conseguiu sair do 0 a 0 em casa e foi eliminado ao perder por 2 a 0, em Ibagué. Foi a primeira desclassificação de um time brasileiro na fase preliminar da competição.

Cruzeiro – 2011

Os cruzeirenses faziam uma campanha irrepreensível na competição. Em sete partidas realizadas (seis na fase de grupos e uma nas oitavas de final) foram sete vitórias conquistadas. No mata-mata diante do Once Caldas, o time de Cuca havia vencido o duelo de ida em Manizales, por 2 a 1, e poderia perder em casa por até um gol de diferença, porém, o imprevisível aconteceu. Desencontrado em campo, o Cruzeiro sofreu o revés por 2 a 0 e viu o sonho do tricampeonato ficar para o ano seguinte.

Fracasso geral – 2014

Após nove anos consecutivos disputando a grande final da Libertadores, os times brasileiros decepcionaram na última edição do torneio. Logo na primeira fase, Atlético Paranaense, Botafogo e Flamengo foram eliminados. Nas oitavas de final foi a vez do Grêmio e Atlético Mineiro deixarem o campeonato. Por fim, nas quartas de final, o Cruzeiro, atual campeão brasileiro, voltou para casa após ser derrotado pelo atual campeão, San Lorenzo.