Fratus se ajoelha diante do pódio e exalta brasileiros após medalha em Tóquio: ‘A gente é muito capaz’

Nadador foi terceiro colocado na final dos 50 metros livres e lembrou da esposa e da carreira ao comemorar medalha

  • Por Jovem Pan
  • 31/07/2021 23h28
Oliver Weiken/dpa/ReutersFratus conquistou medalha de bronze em Tóquio

Emocionado ao receber a medalha de bronze conquistada neste sábado, 31 – manhã do domingo, 1, em Tóquio – o brasileiro Bruno Fratus comemorou a colocação na prova dos 50m livres da natação e considerou o grito da vitória como “entalado” desde 2011. Em entrevista à imprensa após sair da piscina, o brasileiro lembrou que a vitória olímpica era um sonho construído a muitas mãos desde os 11 anos de idade e afirmou que não teria conseguido chegar entre os três melhores do mundo sem o amor e suporte dos familiares, assim como não teria conseguido conquistar o resultado sem as dúvidas dos que não acreditaram nele. Além de agradecer ao apoio da esposa, ex-atleta que trabalha como técnica dele, Fratus exaltou a imagem dos brasileiros em um ponto de vista mundial. “Nós somos o melhor povo, nós temos o melhor país do mundo. Eu moro nos Estados Unidos faz um tempo e todo mundo lá paga pau para o Brasil, para o povo brasileiro. E cara, a gente é muito capaz, então assim, como eu fiz hoje, se permitam ser o povo que a gente pode ser, o país que a gente pode construir porque é por isso que a gente está nos melhores do mundo”, pontuou.

O nadador nasceu em Macaé, no Rio de Janeiro, e morou em diversas cidades do Nordeste brasileiro ao longo da juventude. Entre elas, Natal, Mossoró e Salvador. Ele começou a sua carreira pela seleção brasileira em 2010 nadando no Campeonato Pan-Pacífico de Irvine e ficando a quatro centésimos do pódio. Em 2011, ele foi finalista nos 50m livre no Campeonato Mundial de Xangai, se classificando com a melhor pontuação e terminando na quinta colocação. Ele tem sete medalhas conquistadas nos jogos Pan-americanos de Guadalajara, em 2011, e Lima, 2019: cinco de ouro e duas de prata. Nas Olimpíadas de Londres, ele ficou em 4º lugar dos 50m livre e em 9º no revezamento 4×100 livre; no Rio em 2016 ele ficou na 6ª colocação dos 50m livre.