Túlio Maravilha vê Brasil carente de ídolos: “hoje, eu seria um dos melhores do País”

  • Por Jovem Pan
  • 02/06/2016 18h40

Folclórico e carismáticoFolclórico e carismático

Sem ganhar uma Copa do Mundo desde 2002, o futebol brasileiro vive, novamente, um momento de muita desconfiança. As recentes eliminações na Copa América, somadas à vexaminosa derrota por 7 a 1 para a Alemanha, deixaram a impressão de que a geração atual é fraca, incapaz de levar o País de volta ao caminho das conquistas. A situação é tão preocupante que aflige até um dos jogadores mais folclóricos e bem-humorados da história do Brasil.

Em entrevista exclusiva a Felipe Altarugio para o Plantão de Domingo, da Rádio Jovem Pan, o ex-atacante Túlio Maravilha ressaltou que, atualmente, faltam referências ao futebol pentacampeão mundial. Túlio destacou que vê apenas Neymar com capacidade de ostentar idolatria junto ao blico brasileiro – o que o deixa temeroso. 

Aos 47 anos, o ex-jogador, famoso pela forte personalidade e declarações polêmicas, disse que se jogasse futebol atualmente, seria um dos maiores atacantes do País – mesmo com idade avançada. Talento, técnica e habilidade independem do tempo. É igual andar de bicicleta: você nunca desaprende“, afirmou. 

Então, como o futebol brasileiro está carente de ídolos e artilheiros, eu com certeza figuraria entre os melhores atacantes do País se jogasse hoje em dia“, cravou o ex-jogador, que se aposentou em 2014, no Araxá – clube pelo qual marcou o milésimo gol de sua carreira, de acordo com as suas contas. 

Apesar da curiosa afirmação, Túlio Maravilha não se vê em condições de voltar a jogar futebol profissionalmente. “Hoje, é bem difícil. Tenho 47 anos, não sou mais um garotinho, né? Se tivesse até 42 anos, acho que daria, sim, para poder jogar em alto nível, porque eu sempre me cuidei bastante fora de campo“.