Valcke esquece reclamações e prevê Copa do Mundo “inesquecível” no Brasil

  • Por Agencia EFE
  • 30/05/2014 16h15

Jérôme Valcke (cen.)Jérôme Valcke

Deixando para trás todas as críticas que já fez ao Brasil pela organização da Copa do Mundo, o secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke, afirmou nesta sexta-feira que o mundo está preparado para edição brasileira da competição, que ele acredita que será “inesquecível”.

“As seleções participantes e os milhões de torcedores passarão os melhores momentos de suas vidas e terão uma experiência inesquecível. Com aquele clima incrível nos estádios, a Copa das Confederações deu uma ideia sobre o que esperar. Para muitos, será uma experiência única”, comentou.

Após vários dias inspecionando os palcos do Mundial, o dirigente disse em sua coluna semanal no site da Fifa que tudo está praticamente pronto e os últimos detalhes já estão sendo arrumados.

Valcke reiterou que a organização de um evento dessa natureza exige um esforço coletivo e alertou que não haverá “tempo para relaxamento até que se tenham disputado as primeiras partidas nas 12 cidades sedes”.

O dirigente também comentou sobre a expectativa do povo brasileiro para a Copa do Mundo. Segundo ele a empolgação começa a crescer ser visível pelas ruas do país.

“Tive a chance de dar uma olhada no crescente entusiasmo com a Copa e nas ruas que começam a ser decoradas como manda a tradição – e isso é muito bom de ver”, disse.

“O espírito do Mundial é perceptível inclusive a milhares de metros no ar”, celebrou Valcke, que citou a chegada na quarta-feira passada da seleção da Austrália, a primeira a vir ao Brasil, como ponto de partida para o entusiasmo.

“Não há dúvida que a febre do mundial está começando a apoderar-se dos brasileiros e dos milhões de torcedores de todo o planeta”, explicou o dirigente da Fifa.

A Copa do Mundo trará muitos duelos entre grandes seleções na primeira fase, e há a uma grande possibilidade de mais clássicos no mata-mata. Segundo Valcke, nunca houve tantos confrontos de times tradicionais em um Mundial, o que aumenta a responsabilidade na organização de todas as cidades sedes.

“Dificilmente uma Copa do Mundo ofereceu antes tantos encontros de alto nível. Isso põe ainda mais pressão em todos nós e particularmente em nossas equipes em cada sede, já que todas elas – desculpem-me se sou repetitivo – têm de estar perfeitas”, reforçou.