Valdir Joaquim de Moraes lamenta fase ruim do Palmeiras e defende Fábio

  • Por Fredy Junior/Jovem Pan
  • 25/09/2014 18h50
Valdir ainda ficou marcado por ser o primeiro treinador de goleiros do BrasilValdir Joaquim de Moraes faz defesa

Valdir Joaquim de Moraes é um dos maiores goleiros da história do Palmeiras e foi o primeiro preparador de goleiros da história do futebol brasileiro. Assim, ele tem todas as credenciais para falar com propriedade sobre o momento lamentável que o alviverde de Palestra Itália vive nesta temporada.

O ex-arqueiro não escondeu a tristeza de ver o clube que ama em um período tão negativo, mas preferiu não condenar nomes específicos.

“Eu tenho visto os jogos e a fase do Palmeiras é muito ruim e é de se lamentar que esteja assim. Erros aconteceram, não vou falar porque eu não estava lá dentro, mas sei que aconteceram. O Palmeiras ficou em uma situação que não pode pela grandeza, pelo que o clube fez pelo futebol paulista e brasileiro. Tem que ter uma cabeça pensante que possa tranquilizar esse grupo e começar a ter mais vitória, que vai ser difícil pelo ambiente que está criado. De qualquer forma, tem que reagir”, disse.

Valdir Joaquim de Moraes frisou que, mesmo com o momento ruim, as medidas não precisam ser muito duras.

“Eu não estou participando das atividades do Palmeiras, mas uma coisa eu sei: não adianta você tomar drásticas. Eu acredito que prejudica mais. Tem que haver um consenso, um equilíbrio, e que se reúnam os responsáveis. Não é só punindo que vai se reerguer. Agora é equilíbrio, pensamentos e atitudes positivos”, falou.

Por fim, o ex-goleiro palmeirense defendeu Fábio, apesar das falhas recentes do jovem goleiro, e disse que ele tem que superar esse momento negativo.

“O Fábio tem um futuro brilhante, um futuro muito bom, emboba tenha sido massacrado porque teve falhas. Voltando um pouquinho ao passado, quando eu comecei a minha carreira em Porto Alegre, eu tomei um gol pelo meio das pernas do meio de campo e perdemos para o Grêmio por 1 a 0. Isso eu tinha 18 anos e joguei até os 38, 40 anos. Tem momentos difíceis, mas você tem que superar”, finalizou Valdir.