Vice tricolor alfineta Nobre, projeta título e dupla de Kardec com L. Fabiano

  • Por Jovem Pan
  • 29/04/2014 14h23
Ataíde fala sobre chegada de Kardec

A contratação muito próxima de ser concluída do atacante Alan Kardec pelo São Paulo faz parte do planejamento do clube de ser campão brasileiro ainda no primeiro ano de gestão de Carlos Miguel Aidar, quem conta isso é o vice de futebol tricolor, Ataíde Gil Guerreiro, que foi convidado especial do esporte em Discussão nesta terça-feira.

De acordo com Guerreiro, o ex-palmeirense será uma mistura de substituto e companheiro de Luis Fabiano, e foi um pedido do técnico Muricy Ramalho, que garantiu que é possível jogar com os dois artilheiros lado a lado.
“O objetivo é ganhar o brasileiro. Para ser só mais um não me interessava. O Aidar conseguiu recursos e queremos atender o Muricy para sermos protagonistas”, disse o dirigente.

“Tirando o Rogério Ceni, o Luis Fabiano é o jogador que mais admiro no São Paulo ,e sonho que ele quebre o recorde de gols do Serginho Chulapa na minha gestão. Só que ele não consegue jogar tantas partidas. Falei com o Muricy e disse que queria um bom jogador que não desse problemas aqui dentro, o Muricy falou que ele consegue dar um jeito de colocar o Kardec para jogar sem trazer prejuízo ao Luis Fabiano, e quando ele não puder jogar, como foi na Copa do Brasil, ele é o substituto direto”, explicou Guerrero, que ainda não deu como completamente certo o negócio, mas bem encaminhado.

A polêmica envolvendo Alan Kardec ganhou um novo capítulo na última segunda, quando o o presidente do palmeiras Paulo Nobre chamou de antiética a postura tricolor em abordar o jogador enquanto ele ainda negociava com o clube alviverde de “antiética”. Guerreiro minimizou o atque, relembrando a postura palmeirense nos tempos de Parmalat na década de 90, e ainda alfinetou o rival.

“Foi um fato normal. Se pensar no passado, o próprio Brunoro (responsável pelo futebol do Palmeiras) tirou o Cafu eo levou para o Juventude para fugir do contrato do atleta. Só fomos com ele depois de saber que não renovaria com o Palmeiras”, disse.

“O dirigente tem que zelar pelo seu plantel. Paga bem e dá autoridade. Se tiver autoridade não acontece esse tipo de coisa”, concluiu Guerreiro, atacando o rival Palmeirense.
Apesar disso, o dirigente descartou qualquer desejo de apenas prejudicar o Palmeiras na briga envolvendo Kardec. na opinião dele, os grandes paulistas preciam mostrar força para valorizarem ainda mais o Campeonato Brasileiro.

“Gostaria que o Palmeiras continuasse forte, porque se não não tem bilheteria. Que isso faça que o Palmeiras tenha uma reação imediata e tenha um time forte para os paulistas briguem pelo título”, afirmou.