Wada constata “fracasso total” da IAAF em luta contra o doping

  • Por Agencia EFE
  • 14/01/2016 13h53
Campeonato Europeu de Atletismo em ZuriqueCampeonato Europeu de Atletismo em Zurique

Uma comissão independente da Agência Mundial Antidoping (Wada) constatou que houve um “fracasso total” da Federação Internacional de Atletismo (IAAF) na luta contra o consumo de substâncias proibidas e a corrupção, segundo relatório divulgado nesta quinta-feira (14).

De acordo com o documento divulgado pela comissão, apresentado nesta quinta em Munique, o principal responsável pelas práticas corruptas e do encobrimento do doping é o ex-presidente da IAAF Lamine Diack.

O grupo é liderado pelo ex-presidente da Wada Richard Pound, que se pronunciou para apresentar o relatório, continuação de um primeiro trabalho que levou à suspensão da Federação Russa de Atletismo (FRA) de todas as competições. “O tempo das reformas é agora”, disse o dirigente.

Entre os presentes na apresentação do relatório, estava o atual presidente da IAAF, o britânico Sebastian Coe.

O documento assinala que houve “um colapso total das estruturas e uma falta absoluta de responsabilidade”, assim como uma falta de vontade política de confrontar a Rússia com a verdadeira dimensão do problema do doping entre seus atletas. Ainda segundo a comissão, reagiu-se de maneira insuficiente perante os problemas de corrupção dentro da federação internacional.

As acusações formuladas pela comissão independente da Wada são o segundo capítulo de um escândalo trazido à tona por um documentário da emissora alemã “ARD” intitulado “O doping: estritamente confidencial. Como a Rússia cria seus vencedores”, veiculado em dezembro de 2014.

A reportagem, na qual foram apresentados diversos documentos e gravações feitas em sigilo, coletou indícios que apontavam um doping sistemático amparado pelo estado no atletismo russo.

Além disso, o documentário denunciou a existência de um aparelho para ocultar o doping, no qual participavam também, em troca de dinheiro, funcionários da IAAF encarregados de maquiar resultados de exames antidoping.

Diante das denúncias, a Wada criou a comissão independente para investigá-las, o que culminou com um relatório que chegou a conclusões similares às da reportagem e terminava dizendo que se tratava apenas da “ponta do iceberg”.

A IAAF já tinha negado as acusações da “ARD” em carta à agência antidoping e dizia que o problema se limitava a casos isolados de pessoas que estiveram ligados à organização no passado. Por outro lado, a comissão chega à conclusão que era impossível que a federação internacional não percebesse a dimensão do problema e a violação das regras.