Zero vício e explosão “de menino”: os segredos do discreto, e ótimo, Vanderlei

  • Por Jovem Pan
  • 02/05/2016 19h00

Vanderlei não tem tanta mídia quanto outros goleirosVanderlei não tem tanta mídia quanto outros goleiros

Alisson, Marcelo Grohe, Jefferson, Cássio, Fernando Prass, Fábio… Quando se discute qual é o melhor goleiro do Brasil na atualidade, muitos nomes são lembrados. Poucas vezes, contudo, fala-se de Vanderlei. Discreto, o arqueiro do Santos não tem tanta mídia quanto seus companheiros de posição. Pergunte a qualquer torcedor alvinegro, porém, se ele não está satisfeito com o desempenho do seu camisa 1. A resposta, certamente, será um sonoro “sim”. 

No Santos desde o ano passado, Vanderlei fez os santistas se esquecerem completamente da controversa transferência do então titular Aranha ao Palmeiras. O paranaense de Porecatu não é espalhafatoso, quase nunca se torna o centro das atenções e poucas vezes aparece em programas de televisão ou rádio. Dentro de campo, contudo, é regular como poucos. 

Duas vice-campeão da Copa do Brasil com o Coritiba, Vanderlei deixou o clube paranaense como ídolo e oitavo atleta que mais entrou em campo com a camisa coxa-branca na história – segundo entre os goleiros. No Santos, ainda está longe de alcançar marca parecida, mas seu desempenho jogo após jogo já lhe reservou um espaço considerável no coração alvinegro.

É difícil – para não dizer impossível – se recordar de uma falha de Vanderlei com a camisa santista. Boas atuações, por outro lado, são quase uma constante. O goleiro de 32 anos transmite segurança absurda ao torcedor alvinegro e encanta até mesmo a quem já trabalha há 16 anos no clube. 

É o caso de Sebastião Martins Oliveira Junior. Preparador de goleiros do Santos desde 2000, o popular Arzul é o maior fã do camisa 1 santista. “Eu coloco o Vanderlei, hoje, em nível de Seleção Brasileira, afirmou, em entrevista exclusiva a Luís Carlos Quartarollo para o Plantão de Domingo, da Rádio Jovem Pan, antes de revelar os segredos do já experiente goleiro alvinegro. 

A vantagem do Vanderlei, apesar da idade mais avançada, é que ele é um cara sem vícios. Ele não fuma, não bebe... Então, treina no mesmo ritmo que os meninos que acabaram de subir da base. A mesma carga de treinamentos que colocamos nos jovens também aplicamos nele. Isso é muito bacana“, explicou.

Além do preparo físico, Arzul destacou outra qualidade pouco falada de Vanderlei: a facilidade dele em pegar pênaltis. Para citar apenas jogos recentes, o goleiro defendeu uma penalidade na decisão da Copa do Brasil de 2015, contra o Palmeiras, e também parou o ataque alviverde em duas oportunidades na semifinal do Paulistão de 2016.  

No domingo, então, Vanderlei pode novamente ser o herói do time alvinegro. Há boas chances, afinal, de a decisão do Campeonato Paulista ir para os pênaltis – basta que Santos e Audax empatem na Vila. “Ele está pronto. Vou te falar uma coisa: uma das especialidades do Vanderlei é pegar pênaltis“, confirmou Arzul. 

“Ele é muito veloz e espera até o último momento da cobrança. A velocidade de reação do Vanderlei é muito imediata. A informação chega à musculatura instantaneamenteE, além de estudar os batedores, ele tem como principal virtude a ação no momento da batida. Ele fica parado até o último momento e só sai quando a cobrança é feita“, finalizou.

Na final dos encantadores ataques de Santos e Audax, então, mais uma vez o protagonista pode ser Vanderlei. Se é discreto fora de campo, o goleiro costuma transformar toda a timidez em regularidade e segurança dentro das quatro linhas. Se ele brilhar, definitivamente não será mais surpresa para ninguém.