Zetti vê boa safra de goleiros e aposta: “Alisson pode ser titular em duas Copas”

  • Por Jovem Pan
  • 11/03/2016 21h40
O ex-goleiro Zetti é um dos maiores ídolos da história do São Paulo

Com Marcos e Rogério Ceni aposentados, Dida inativo e Júlio César em fim de carreira, o futebol brasileiro vive, atualmente, um momento um tanto quanto esquisito na posição mais específica do esporte bretão. Definitivamente, não há um goleiro canarinho que seja unanimidade junto a público e imprensa. Prova disto é a variedade de nomes convocados nos últimos meses.

Para as partidas contra Uruguai e Paraguai, pelas Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa de 2018, por exemplo, Dunga convocou Diego Alves, Alisson e Marcelo Grohe. Nenhum deles é fraco, longe disso. Inegavelmente, contudo, os três não têm lá tanta bagagem assim com a camisa da Seleção Brasileira. Problema? Para um dos maiores goleiros da história do futebol nacional, não. 

Em entrevista exclusiva a André Ranieri para o Plantão de Domingo, da Rádio Jovem Pan, Zetti elogiou os arqueiros de ponta do País. “Temos, hoje, uma boa safra de goleiros no Brasil. E ela está muito bem representada na Seleção”, disse o ídolo são-paulino, antes de se apegar a um nome em especial. 

“O Alisson, por ser jovem, é bastante seguro e passa uma boa confiança. No jogo contra a Argentina, pelas Eliminatórias, ele foi muito bem. Acho que o Alisson pode jogar umas duas Copas do Mundo como titular com tranquilidade. Teríamos segurança com ele no gol”, declarou, rendendo-se ao arqueiro do Internacional. 

Alisson tem 23 anos e começou a ganhar chances na Seleção assim que Dunga assumiu o comando brasileiro pela segunda vez. Apesar de não ser daqueles arqueiros espetaculares, que fazem defesas plásticas e milagrosas, o jovem, segundo Zetti, é muito seguro. “Ele é o goleiro de confiança do Dunga”, atestou, elogiando também Diego Alves e Marcelo Grohe. “Nesse momento, os três são os grandes nomes da posição no futebol brasileiro. Qualquer um que jogar, está tranquilo”, decretou.

Zetti está aposentado desde 2001, mas, aos 51 anos, segue contribuindo para o crescimento do esporte nacional. Recentemente, por exemplo, o ex-atleta foi palestrante do primeiro Circuito de Formação e Preparação de Goleiros do Brasil. Promovido pela Unisports, o evento teve como público-alvo os jogadores amadores que têm a ambição de, um dia, tornar-se profissionais. Quem sabe de lá não saiam novos Alissons. Quem sabe…