Abraçado a bandeira dos EUA, Snowden se diz disposto a “ir para a prisão”

  • Por Agencia EFE
  • 13/08/2014 17h25

Washington, 13 ago (EFE).- O ex-analista da Agência de Segurança Nacional dos Estados Unidos (NSA) Edward Snowden, afirma estar disposto a ir para a prisão em seu país em uma entrevista para a revista “Wired”, em cuja capa aparece abraçado à bandeira americana.

“Disse ao governo que me ofereço voluntariamente a ir para a prisão, sempre e quando servir para fazer o correto,” disse Snowden na reportagem publicada hoje.

“Me importo mais com o país do que com o que acontecerá comigo. Mas não podemos permitir que a lei se transforme em uma arma política ou deixe as pessoas com medo de defender seus direitos, não importa quão bom seja o acordo. Eu não vou fazer parte disso”, reiterou.

Na entrevista, Snowden afirma à “Wired” que os cidadãos americanos ainda não devem confiar no trabalho da NSA, e que neste sentido o governo Barack Obama “ainda não solucionou seus problemas”.

“Ainda há negligências auditadas, ainda há assuntos que lhes escapam das mãos, e não têm ideia de onde vem e nem para onde se quer ir. E se esse é o caso, como podemos nós, como cidadãos, ter confiança na NSA com todas as nossas informações, todos os nossos registros privados, o registro permanente de nossas vidas?”, argumentou.

Procurado pela justiça de seu país e atualmente asilado na Rússia, Snowden concedeu a entrevista em Moscou e, segundo disse o editor da revista, Scott Dadich, a princípio ele estava nervoso com a ideia de posar junto com a bandeira.

“Disse que estava nervoso pela possibilidade de que posar com a bandeira irritasse as pessoas, mas isso significava muito para ele”, afirmou.

“Ele disse que amava seu país. Balançou a bandeira e a segurou perto de seu coração. Ninguém disse uma palavra, e ficamos arrepiados. Ficamos sentamos todos ali sentados durante um longo momento, observando-o”, acrescentou o editor.

O governo americano acusa Snowden de vazar documentos classificados como de alto sigilo, que revelaram a existência de programas de monitoramento em larga escala e registro de ligações telefônicas a cargo do governo federal. Atualmente, Snowden mora em um lugar não revelado na Rússia. EFE