Adriano Silva se vê como “aposta” da TV Globo quando foi colocado a frente do Fantástico

  • Por Jovem Pan
  • 14/09/2017 17h42
"O Fantástico enfrentava naquele momento um desafio que era se rejuvenescer. Tentar não envelhecer com a audiência", contou o jornalista

O jornalista contou a Augusto Nunes, no programa da Jovem Pan Perguntar Não Ofende desta quinta-feira (14), a sua trajetória na editora até chegar a Rede Globo. Segundo ele, depois de dois anos na revista Exame, Adriano assumiu a diretoria da Superinteressante e afirma que teve condições de “pensar o business” em torno da marca.

“Eu considero que foi meu ‘MBA’ de jornalismo (período na Exame). E eu tive condição de já botar isso rapidamente em prática na Superinteressante e aí foi meu ciclo na Abril. (…) Eu tinha visto acontecer na Exame, quando as capas direcionadas ao executivo na pessoa física começaram a vender muito, se fez a Você S/A para atender essa demanda. E eu via que na Super tinha umas pautas mais específicas que tinham muita procura”, contou.

“Então nós começamos a tirar alguns filhotes de dentro da marca mãe. Isso aconteceu com Vida Simples, (…) depois com Mundo Estranho, depois aconteceu com Aventuras na história…enfim, a gente conseguiu ali formar um grupo de revistas ao redor daquela marca Superinteressante”, completou o jornalista.

Quando a TV Globo trouxe Adriano para ficar a frente do Fantástico, o jornalista acredita que foi uma aposta da emissora, já que a empresa não costuma trazer pessoas de fora para assumir cargos de chefia, mas sim, promover os seus funcionários.

“O Fantástico enfrentava naquele momento um desafio que era se rejuvenescer. Tentar não envelhecer com a audiência. E ele já vinha perdendo bastante audiência. Então, a minha função ali, em tese, era essa. Mas entre esse plano master e o tático do dia a dia, essa passagem não aconteceu”, disse Adriano.

Confira abaixo a entrevista completa do jornalista e escritor, Adriano Alves.