Advogado de Sarkozy e magistrado são indiciados por tráfico de influência

  • Por Agencia EFE
  • 01/07/2014 19h35

Paris, 1 jul (EFE).- Thierry Herzog, advogado do ex-presidente francês Nicolas Sarkozy, e um alto magistrado do Tribunal de Cassação, Gilbert Azibert, foram indiciados nesta terça-feira por tráfico de influência em um caso que também afeta o político conservador.

Sarkozy prestou depoimento hoje na qualidade de detido, medida nunca antes aplicada a um ex-presidente da França, e continua na sede da Polícia Judiciária em Nanterre, nos arredores de Paris.

O político conservador, chefe do Estado francês entre 2007 e 2012, prestou depoimento na presença de um advogado sobre a acusação de tráfico de influência e violação do segredo de instrução de outros casos abertos contra ele.

Sarkozy pode permanecer até 48 horas sob a jurisdição da Polícia Judiciária, aonde chegou esta manhã em um carro com vidros escuros.

O ex-presidente pode ser formalmente acusado desses crimes, colocado como simples testemunha ou declarado “testemunha assistida”, uma figura jurídica que se situa entre as duas anteriores.

A Justiça quer determinar se o ex-chefe de Estado e seu entorno criaram uma rede de informantes que lhes mantinha cientes da evolução dos processos judiciais que ameaçam o político, como o suposto financiamento ilegal de sua campanha presidencial por parte do deposto ditador líbio Muammar Kadafi.

A decisão judicial é particularmente delicada porque pessoas próximas a Sarkozy e o próprio ex-presidente estão preparando o terreno para seu retorno à política, de olho nas eleições de 2017.

Se for declarado culpado, Sarkozy pode pegar uma pena máxima de cinco anos de prisão e multa de até 500 mil euros. EFE