“Ainda não é possível apontar conclusões”, declara FAB sobre acidente que vitimou Thomaz Alckmin

  • Por Jovem Pan
  • 02/06/2015 18h04

Thomaz aparece pilotando em foto postada pela esposaVeja fotos de Thomaz

A Força Aérea Brasileira divulgou nesta terça-feira (02) uma nota oficial a respeito das investigações do acidente de helicóptero que vitimou Thomaz, filho do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin e mais quatro pessoas.

A investigação, conduzida pelo Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CENIPA), declarou que, segundo o exame dos destroços, “os danos encontrados nos motores, transmissão principal e de cauda, pás do rotor principal e de cauda e demais componentes da aeronave foram consequências e não causas da queda”.

Ainda segundo a nota, dois componentes fundamentais para o piloto controlar a aeronave em voo – controles flexíveis (ball type) e alavancas (bellcranck) – estavam desconectados antes da decolagem.

“Até o momento, as evidências apontam que o comandante estava pilotando a aeronave em todas as fases do voo (…) Pelo fato de a investigação estar em andamento, ainda não é possível apontar conclusões acerca dos fatores contribuintes que desencadearam o acidente”, declarou a FAB em nota.

Os investigadores analisam ainda os componentes eletrônicos da aeronave e contam com o apoio dos representantes acreditados designados pelo BEA (Bureau d´Enquêtes et d´Analyses), órgão francês de investigação.

O Brigadeiro do Ar e chefe do Centro de Comunicação Social da Aeronáutica, Pedro Luís Farcic – que assina a nota – ressaltou que os acidentes aeronáuticos não ocorrem por uma causa isolada, mas por uma série de fatores.

Farcic acrescentou ainda que “o objetivo principal da investigação é identificar os fatores contribuintes que gerarão recomendações de segurança, completando assim o ciclo da prevenção de acidentes”.

O acidente

O helicóptero caiu sobre uma casa no Condomínio Fazendinha, em Carapicuíba, na Grande São Paulo no dia 02 de abril deste ano.

O produtor do programa Pânico presenciou o momento em que o helicóptero estava voando desgovernado. Em entrevista à repórter Izilda Alves, ele afirmou que a aeronave caiu a cerca de 70 metros de distância de sua residência. “Eu vi o helicóptero passar por cima da minha casa, ele tava com o bico virado pra baixo e de ponta cabeça, completamente fora de controle”, afirma.

O engenheiro Ricardo Fuchs contou que a “aeronave veio desgovernada e quando chegou em cima das duas casas ela virou e na hora que virou ficou na posição normal de um helicóptero já não tinha mais sustentação”.

As vítimas

Além de Thomaz Alckmin estavam na aeronave, mais quatro pessoas. Entre elas: o mecânico da Seripatri Paulo Henrique Moraes, 42 anos; o piloto da Seripatri Carlos Haroldo Esquerdo Gonçalves, de 53 anos e mais de 30 anos de experiência; o mecânico da Helipark Erick Martinho, 36 anos e o mecânico da Helipark Leandro Souza, 34 anos.