Alckmin pede ajuda de Dilma para enfrentar seca em SP

  • Por Agencia EFE
  • 10/11/2014 20h39

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, pediu nesta segunda-feira ajuda à presidente brasileira, Dilma Rousseff, ajuda para desenvolver um plano de investimentos de R$ 3,5 bilhões para enfrentar a pior crise hídrica do estado.

Alckmin se reuniu nesta segunda-feira com Dilma em Brasília para entregar à presidente um plano que reúne oito obras de infraestrutura que ajudariam a minimizar o problema da falta de água na cidade de São Paulo.

Todos os sistemas de represas que abastecem São Paulo e outras cidades da região metropolitana, como Itu e Campinas, apresentam os níveis mais baixos da história e no caso do maior deles, a Cantareira, o volume morto já começou a ser utilizado.

Dilma e Alckmin estiveram reunidos por cerca de uma hora e, segundo a ministra de Planejamento, Miriam Belchior, que participou do encontro, o governo de São Paulo precisa apresentar “mais detalhes dos projetos para podermos discutir cada um deles”.

Depois da reunião, ficou definida a criação de um grupo de trabalho com representantes dos governos federal e estadual para acompanhar as discussões sobre os planos.

Alckmin assinalou que a ajuda do governo federal poderá ser mediante a contribuição direta de recursos ou através do financiamento das obras.

As obras propostas são a interconexão dos reservatórios Atibainha-Jaguari, Jaguari-Atibaí e Rio Grande-Guarapiranga; além da construção de novas represas e a exploração de poços artesanais do Aqüífero Guarani.

Além dos projetos apresentados, a Caixa deve liberar nos próximos dias um crédito de R$ 1,8 bilhão para a construção do sistema São Lourenço, que reforçará o abastecimento das zonas críticas e terá interconexão com os principais reservatórios em 2016 e 2018.