Apesar de redução, Brasil ainda tem 40 mil vítimas em acidentes de trânsito

  • Por Jovem Pan
  • 11/11/2014 12h12

O Brasil reduziu as mortes no trânsito, apesar da inaceitável marca de 40 mil vítimas em 2013. A queda de 10% é a maior desde 98, quando entrou em vigor o novo Código de Trânsito, que ampliou as punições e o valor das multas.

Dados do Sistema Único de Saúde apontam que morreram 40, 5 mil pessoas, no passado, contra 44,8 mil em 2012. Falando a Marcelo Mattos, o ex-diretor do Contran, Davi Duarte, professor da Universidade de Brasília, cobrou efetiva fiscalização aos motoristas.

*Ouça os detalhes no áudio

Recentemente, a alteração em onze artigos do Código elevou as multas em até 900%, em infrações como ultrapassagens proibidas e rachas. A redução das mortes em 2013 interrompe sequência de três anos e coincide com a nova Lei Seca, que permitiu maior rigor na fiscalização.

O Brasil registra 20 mortes a cada 100 mil habitantes, bem acima da média de 8 dos países desenvolvidos, maior do que Argentina e Rússia, por exemplo. O presidente da Comissão de Trânsito da OAB, Maurício Januzi, considerou que a mudança de comportamento depende de educação e punição.

Em 2011, o Brasil assinou resolução da ONU pela redução da metade das mortes até 2020, na chamada Década de Ação pelo Trânsito Seguro. Em 10 anos, as mortes de ocupantes de veículos cresceram 32%, contra 130% de motociclistas, principais vítimas ao lado de pedestres.