Apesar de repercussão negativa da Operação Carne Fraca, exportação cresce 9%

  • Por Jovem Pan com Estadão Conteúdo
  • 03/04/2017 15h38
HON04 HONG KONG (CHINA) 22/03/2017.- Paquetes de carne en una carnicería en Hong Kong (China) hoy, 22 de marzo de 2017. Hong Kong, el segundo mayor importador de carne brasileña después de China, acordó suspender temporalmente y como "medida de precaución" la importación de este producto tras el escándalo surgido en el país sudamericano sobre la adulteración de la carne. EFE/Jerome FavrePrateleira de Hong Kong

Mesmo com as sanções sofridas pela carne brasileira no exterior após a Operação Carne Fraca, a balança comercial brasileira registrou o melhor desempenho para março em 29 anos. O superávit foi de US$ 7,145 bilhões no mês passado, o maior valor para o período em toda a série histórica, iniciada em 1989, de acordo com dados divulgados há pouco pelo Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (Mdic).

O saldo positivo é resultado de US$ 20,085 bilhões em exportações e de US$ 12,940 bilhões em importações. O dado de março ficou acima das estimativas de profissionais do mercado financeiro consultados pelo Projeções Broadcast. As expectativas eram de superávit de US$ 6,4 bilhões a US$ 7,045 bilhões, com mediana positiva em US$ 6,850 bilhões.

No mês passado, a Polícia Federal deflagrou uma operação para apurar suspeita de um esquema de corrupção envolvendo técnicos do Ministério da Agricultura e frigoríficos para driblar irregularidades sanitárias na produção de carne brasileira. Diversos países anunciaram barreiras ao produto nacional após a divulgação da operação, mas parte das sanções já foram revertidas.

Mesmo com a operação, as exportações de carnes bovinas, suínas e de frango somaram US$ 1,113 bilhão em março deste ano, valor 9,0% maior do que em igual período do ano passado (US$ 1,021 bilhão). As vendas externas aumentaram no caso do frango (de US$ 511 milhões em março de 2016 para US$ 571 milhões no mês passado) e da carne suína (de US$ 99 milhões para US$ 138 milhões no mesmo período), mas caíram na carne bovina (de US$ 411 milhões para US$ 404 milhões em igual intervalo).

No ano, o resultado acumulado é positivo em US$ 14,424 bilhões, também o melhor resultado para o período. As exportações somaram US$ 50,466 bilhões e as importações, US$ 36,042 bilhões.

Somente na quinta semana de março (27 a 31) houve superávit de US$ 1,692 bilhão, com US$ 4,106 bilhões em exportações e US$ 2,415 bilhões em importações.

Média diária

A média diária de exportações subiu 20,1% em março ante igual mês do ano passado, informou nesta segunda-feira, 3, o Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços. O valor médio de vendas externas ficou em US$ 873,3 milhões no mês passado. Já a média diária de importações subiu 7,1% no mesmo período, para US$ 562,6 milhões.

Entre as exportações de produtos básicos, a média diária de embarques avançou no caso de carne suína (33,4%), carne de frango (7,0%), soja em grão (15,6%), minério de ferro (186,7%) e petróleo em bruto (145,9%), sempre na comparação de março contra igual mês de 2016.