Assassino de Lennon vai continuar na cadeia

  • Por Estadão Conteúdo
  • 31/08/2016 08h44
Mark David Chapman is seen in this handout photo taken May 15, 2012 from the New York State Department of Corrections and released to Reuters August 23, 2012. Chapman has been denied parole for the 7th time for the killing of ex-Beatle John Lennon in 1980. REUTERS/NYS Department of Corrections/Handout (UNITED STATES - Tags: CRIME LAW) THIS IMAGE HAS BEEN SUPPLIED BY A THIRD PARTY. IT IS DISTRIBUTED, EXACTLY AS RECEIVED BY REUTERS, AS A SERVICE TO CLIENTS. FOR EDITORIAL USE ONLY. NOT FOR SALE FOR MARKETING OR ADVERTISING CAMPAIGNSMark Chapman

O homem que atirou em John Lennon e o assassinou em Nova York há quase 36 anos não conseguiu obter liberdade condicional novamente, afirmaram autoridades na última segunda-feira, 29. Mark David Chapman, 61 anos, permanecerá atrás das grades em uma prisão de segurança máxima em Erie County, perto de Buffalo, no Estado de Nova York, após seu pedido de liberdade condicional ter sido rejeitado pela nona vez desde 2000.

Chapman, um fã obcecado de Lennon e dos Beatles, foi condenado após atirar enquanto o músico chegava em seu apartamento na região do Upper West Side, em Manhattan, por volta das 23 horas do dia 8 de dezembro de 1980. Ele usou um revólver calibre 38. Tinha vindo do Havaí e estava hospedado a apenas algumas quadras do prédio de Lennon, que não usava guarda-costas e tinha horror às armas.

Chapman recebeu uma sentença de prisão perpétua, após ter se declarado culpado da acusação de assassinato em segundo grau. Ele entrou com pedido de liberdade condicional a cada dois anos desde 2000. “Apesar de muitos fatores favoráveis, nós achamos que tudo é superado pela natureza premeditada e caçadora de celebridades do crime”, disse o Conselho de Liberdade Condicional de Nova York, em comunicado divulgado na última quarta-feira, 30, rejeitando o pedido de Chapman.