Ataque aéreo israelense deixa 2 palestinos mortos em Gaza

  • Por Agencia EFE
  • 22/01/2014 08h06

Gaza, 22 jan (EFE).- Dois membros do grupo palestino Jihad Islamiya morreram ontem à noite em um ataque da aviação israelense em Gaza, informaram fontes do hospital palestino Kamal Odwan.

Segundo as fontes, Ahmad al Zaanin, 21, e seu primo Mohammed al Zaanin, 23, morreram depois que o carro no qual se deslocavam pela cidade de Beit Hanoun, no norte da Faixa de Gaza, foi atingido por um projétil lançado do ar.

Em comunicado enviado nesta madrugada, o exército israelense confirmou ter atacado e morto “um terrorista envolvido em recentes ataques com foguetes contra Israel”.

Zaanin é acusado por Israel de ser uma figura de destaque na Frente Popular para a Libertação da Palestina e de participar do lançamento de foguetes durante o enterro do general Ariel Sharon, morto há dez dias.

Esta é a segunda ação destas características realizada pelo exército israelense desde que há 14 meses lançou uma operação militar em massa sobre Gaza.

No domingo passado, a aviação israelense disparou contra uma motocicleta que transitava pelo norte da Faixa de Gaza e na qual viajava Ahmad Saad, 21, também membro do grupo palestino Jihad Islamiya.

Horas antes, aviões de combate F-16 tinham bombardeado supostas posições paramilitares no centro e sul de Gaza em represália a uma série de foguetes lançados em direção ao território israelense e que não causaram vítimas.

A permanente atmosfera de tensão vivida na fronteira entre Israel e Gaza aumentou nas últimas três semanas devido ao disparo de cerca de 20 projéteis e os ataques aéreos israelenses como resposta.

O governo israelense atribui o aumento da atividade armada a uma suposta fraqueza do movimento islamita Hamas, que controla a Faixa de Gaza, o que teria permitido que outros grupos aumentassem sua atividade armada.

Na segunda-feira, o Hamas anunciou que decidiu reforçar sua presença militar nas principais vias de acesso à fronteira com Israel com o objetivo de amenizar a tensão acumulada.

Um porta-voz do grupo, Islam Shahwan, explicou que o “objetivo é prevenir a ação individual sobre o terreno”, forma indireta de se referir aos gupos mais radicais.

“O que pretendemos é proteger o consenso alcançado de forma unânime com as diferentes facções para manter um cessar-fogo”, acrescentou Shahwan. EFE