Audiência sobre ocupação Copa do Povo, em São Paulo, termina sem acordo

  • Por Agencia Brasil
  • 23/05/2014 16h51
SÃO PAULO, SP - 22.05.2014: SEM-TETO-SP -O líder do MTST, Guilherme Boulos, durante protesto - Integrantes do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto) fazem novo protesto intitulado: ‘Copa Sem Povo, To na Rua de Novo’. A manifestação com concentração no largo da Batata, zona oeste da capital paulista, faz marcha pelas ruas da capital. Entre as pautas desejadas pelo MTST estão o controle público do reajuste de alugueis urbanos estabelecendo o índice inflacionário como teto dos reajustes; uma política federal de prevenção de despejos forçados, com a formação de uma comissão de acompanhamento; mudanças no Programa Minha Casa, Minha Vida. (Foto Marlene Bergamo/Folhapress)Guilherme Boulos

O juiz Celso Maziteli Neto, da 3ª Vara Cível de Itaquera, em São Paulo, designou uma nova data para discutir a situação da ocupação Copa do Povo, do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST). Durante audiência de conciliação, hoje (23), entre representantes do movimento e da Viver Incorporadora, proprietária do terreno em Itaquera onde cerca de 2,8 mil famílias sem teto estão ocupadas, não houve acordo entre as partes.

Segundo o Tribunal de Justiça, durante a audiência, ficou definido que a Caixa Econômica Federal deve fazer uma vistoria e elaborar um laudo sobre a área ocupada. O magistrado também determinou que, até que o caso seja julgado, o número de ocupantes do terreno não poderá ser ampliado. Casas de alvenaria ou de madeirite não poderão ser construídas no local e também não poderá ocorrer degradação ambiental da região.

Localizado em Itaquera, na zona leste paulistana, o terreno foi ocupado por famílias integrantes do MTST no dia 3 de maio. Quatro dias depois, o juiz Celso Maziteli Neto concedeu a reintegração de posse do terreno à Viver Incorporadora. No entanto, um dia depois, o magistrado decidiu agendar a audiência de conciliação, como uma tentativa de solucionar o impasse de forma pacífica. Diante do impasse, o magistrado decidiu por uma nova audiência, no dia 16 de junho, a partir das 11h.