Austrália entrega ao Sri Lanka 41 solicitantes de asilo

  • Por Agencia EFE
  • 06/07/2014 23h34

Sydney (Austrália), 7 jul (EFE).- O governo da Austrália confirmou nesta segunda-feira a entrega ao Sri Lanka de 41 solicitantes de asilo que foram interceptados no final de junho perto das ilhas Cocos, conforme publicou a imprensa local.

O ministro de Imigração australiano, Scott Morrison, explicou que a operação foi realizada no domingo passado perto do litoral do porto ceilandês de Batticaloa, após se submeter os imigrantes a um exaustivo exame que assegure o cumprimento da Austrália de suas obrigações internacionais.

No comunicado emitido, Morrison, que visitará o Sri Lanka esta semana, esclareceu que entre os imigrantes entregues estão 37 cingaleses e quatro tâmeis.

Esta devolução aconteceu vários dias depois que a imprensa informou da intercepção no final de junho passado de dois barcos com mais de 200 solicitantes de asilo, muitos deles tâmeis, mas o governo da Austrália se negou a comentar estes relatórios alegando razões de segurança.

Políticos e organizações de defesa dos refugiados criticaram o governo do primeiro-ministro conservador, Tony Abbott, por suas intenções de entregar refugiados tâmeis às autoridades do Sri Lanka por temor a represálias, torturas e possíveis execuções.

Na semana passada, a agência da ONU para os refugiados (Acnur) assegurou que no caso de se interceptar embarcações com solicitantes de asilo deve se avaliar o pedido de proteção dentro do território do Estado que os interceptou, o que é consistente com “os princípios fundamentais de proteção de refugiados”.

O governo de Abbott prometeu ser rígido contra a imigração ilegal desde que assumiu o poder em setembro passado com medidas que inclui a devolução de barcos a seu ponto de origem e recentemente, como aconteceu no caso dos imigrantes cingaleses e tâmeis, depois de tramitar seus pedidos em alto-mar.

O Sri Lanka foi acusado de não respeitar os direitos humanos da minoria tâmil, à qual pertencia a guerrilha Tigres da Libertação da Pátria Tâmil que durante décadas lutou para criar um Estado próprio até ser esmagada em 2009 em uma ofensiva militar na qual morreram dezenas de milhares de civis.

A ONU calcula que nos 37 anos de conflito entre os Tigres e as Forças Armadas do Sri Lanka houve entre 80.000 e 100.000 mortos, dos quais, cerca de 40.000 eram civis que foram mortos neste país em 2009. EFE