Austrália, EUA e Nova Zelândia buscam por avião desaparecido no Oceano Índico

  • Por Agencia EFE
  • 18/03/2014 05h24

Sydney (Austrália), 18 mar (EFE).- As autoridades de Austrália, Estados Unidos e Nova Zelândia realizam as buscas pelo avião malaio desaparecido com 239 pessoas a bordo em uma vasta e remota área marítima situada a cerca de 3 mil quilômetros ao sudoeste da cidade australiana de Perth, informaram nesta terça-feira fontes oficiais.

Vários navios e seis aviões (4 australianos, 1 neozelandês e outro dos Estados Unidos) participam das operações, segundo John Young, gerente geral da Divisão de Respostas de Emergência da Autoridade Australiana de Segurança Marítima (AMSA, sigla em inglês).

O representante da AMSA, encarregada de liderar as buscas no chamado vetor sul, também detalhou que as autoridades australianas estão conversando com a China sobre a possibilidade de o país asiático disponibilizar mais aviões para uma busca que pode durar semanas.

Young comentou, em entrevista coletiva em Canberra, que a busca será muito difícil, já que uma área de 600 mil quilômetros quadrados deverá ser rastreada.

A região foi definida com base “nas informações disponíveis que vêm de diversas fontes nacionais e internacionais”, comentou Young, sem oferecer mais detalhes.

O australiano disse que a área de busca variará de acordo com o movimento diário das águas, após detalhar que as operações se baseiam nas possibilidades sobre onde o avião pode ter chegado ao invés do que poderia ter acontecido com ele.

Por outro lado, o primeiro-ministro australiano, Tony Abbott, disse nesta terça-feira que a Força Aérea australiana realizou duas varreduras sobre o Oceano Índico, e que uma terceira será realizada até o final do dia.

Ontem, o ministro da Defesa e interino dos Transportes da Malásia, Hishamudin Hussein, explicou que o Boeing 777-200 poderia estar em um ponto entre o Laos, se viajou em direção ao norte em uma velocidade mínima, e o Mar Cáspio, se usou a máxima aceleração de suas turbinas.

Mas se virou rumo ao sul, na área de resgate a cargo da Austrália, teria chegado ao leste da ilha de Sumatra, na Indonésia, a uma velocidade mínima, ou ao sul do Oceano Índico, se utilizou os motores em sua plena capacidade.

Pelo menos 26 países participam desta nova fase de buscas, após a confirmação de que o voo MH370, que fazia a rota Kuala Lumpur-Pequim, desligou suas comunicações e mudou de rumo de forma deliberada. EFE