Bactérias multirresistentes a antibióticos preocupam especialistas pelo mundo

  • Por Jovem Pan
  • 02/05/2014 21h33

Relatório divulgado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) há dois dias adverte quanto aos perigos das bactérias multirresistentes (ou superbactérias), que são aquelas que não respondem mais aos efeitos de medicamentos antibióticos por já terem se adaptado a eles. A Jovem Pan conversou durante o programa Os Pingos nos Is com Carmem Lúcia Pessoa-Silva diretamente de genebra, chefe do programa de “Resistência aos Antimicrobianos de Drogas” na OMS, em Genebra, e com o conceituado médico infectologista David Uip, secretário estadual de Saúde por São Paulo.

Carmem Lúcia explica que “o aparecimento de resistência bacteriana é um fenomeno natural”, pois este ser vivo é mais antigo que o ser humano e sempre aprendeu a se adaptar a ambientes hostis. Esse é um problema que afeta todo o planeta, diz a membro da OMS, e é causado especialmente pelo uso abusivo, em larga escala, de antibióticos, seja nos seres humanos, seja na agropecuária.

Para evitar uma disseminação ainda maior dessas bactérias superpotentes, Carmem recomenda um cuidado maior para diagnósticos mais precisos, restringindo, assim, o uso desnecessário de antimicrobianos. Outras medidas simples, como lavar bem e cuidadosamente as mãos em ambientes hospitalares, podem ajudar a restringir a frequência de infecções.

Tudo isso, porém, deve ser para ganhar tempo para a tecnologia desenvolver novos caminhos para evitar e tratar de infecções, como novas vacinas, ressalta a chefe de pesquisa da OMS, pedindo mais apoio das autoridades públicas no campo de pesquisas.

De Genebra para São Paulo, o secretário estadual David Uip também recomenda medidas práticas e simples para evitar um aumento de infecções que exijam o uso de antibióticos. “A maior forma de prevenção ainda é, pasmem, a lavagem de mãos”, diz. “Por mais que falemos, treinemos tanto profissionais, quanto pacientes e familiares, esse continua sendo um grande problema”, lamenta o médico.

Uip cita o exemplo do Staphylococcus, ou estafilococos, micróbio comum, germe de mãos e peles, que, segundo seus relatos, já apresentam super-resistência a antibióticos de última linha em entradas de pacientes nos hospitais, o que preocupa.

Sobre o assunto, Reinaldo Azevedo comentou: “os males do Brasil são os males do subdesenvolvimento”.

O secretário Uip ainda falou sobre o problema da dengue no País: “Nós vamos controlar a dengue a hora em que nós fizermos uma vacina preventiva”, avalia o secretário estadual, pedindo ainda um maior envolvimento de todas as esferas do Governo, bem como de toda a comunidade. Ouça as entrevistas completas no áudio acima.