Balsa que pegou fogo no Mar Adriático chega a porto italiano

  • Por Agência Brasil
  • 03/01/2015 13h49

A balsa Norman Atlantic, que pegou fogo e fez pelo menos 13 mortos e um número indeterminado de desaparecidos, atracou nessa sexta-feira (2) no porto de Brindisi, no Sudeste da Itália, onde a caixa-preta foi recuperada.

O procurador do Ministério Público de Bari, Giuseppe Volpe, encarregado do inquérito, ordenou que a balsa fosse rebocada para a Itália para poder continuar as buscas de corpos de passageiros clandestinos que dormiam quando o incêndio começou, no domingo passado (28).líquota aumentou para 11%, e os carros movidos só a gasolina, que pagavam 10%, têm agora alíquota de 13%.

Segundo as autoridades italianas, 477 pessoas foram resgatadas com vida, e a lista com os seus nomes foi entregue às autoridades gregas, que também investigam as circunstâncias do acidente.

O juiz Ettore Cardinali fez, ontem à tarde, uma primeira inspeção à embarcação durante a qual recuperou a caixa-preta da balsa. “Por enquanto, não é possível entrar na casa de máquinas da balsa por razões de segurança, pois isso representaria riscos para todos”, explicou Cardinali ao descer do Norman Atlantic. O magistrado destacado pelo Ministério Público de Bari disse que irá, nos próximos dias, a Brindisi para prosseguir a investigação.

Enquanto é aguardada a inspeção mais detalhada dos destroços da embarcação, o número exato de vítimas do incêndio permanece uma incógnita. A presença de clandestinos a bordo já foi provada e três deles estão identificados – dois afegãos e um sírio que tinham pedido asilo político, disse o procurador Giuseppe Volpe.

Segundo ele, havia mais clandestinos escondidos nos caminhões transportados pelo Norman Atlantic e o incêndio começou onde estavam estacionados os veículos. Vários sobreviventes relataram a presença de imigrantes ilegais a bordo, quando chegaram na terça-feira (30) a Brindisi.