Ban aborda crise ucraniana com presidente da China e defende solução pacífica

  • Por Agencia EFE
  • 23/03/2014 20h23

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, analisou neste domingo (23) com o presidente da China, Xi Jinping, a crise ucraniana e defendeu uma solução pacífica para o conflito que respeite a integridade territorial da Ucrânia.

Em reunião em Haia, onde ambos se encontram para participar da Cúpula de Segurança Nuclear, Ban transferiu ao líder chinês os resultados de sua recente visita à Rússia e à Ucrânia, informou seu porta-voz em comunicado.

O diplomata coreano explicou a Xi que seu objetivo nessa viagem foi “promover o diálogo entre Kiev e Moscou e impulsionar uma solução pacífica para a crise” originada após a anexação à Rússia da região autônoma ucraniana da Crimeia.

Ban reiterou a importância de que “todas as partes trabalhem para uma solução guiada pelos princípios da Carta das Nações Unidas, incluindo o respeito da unidade, soberania e integridade territorial da Ucrânia”.

Além disso, Ban mostrou a Xi o “importante papel” que para isso tem a China como membro permanente do Conselho de Segurança.

Os líderes do Grupo dos Sete (G7, Alemanha, França, Reino Unidos, Itália, Canadá, EUA e Japão) e da União Europeia (UE) se reunirão amanhã para manter a pressão sobre Moscou após a anexação da Crimeia.

Os líderes do G7 e da UE abordarão de maneira conjunta uma resposta à Rússia, um país ao qual tanto americanos como europeus impuseram sanções, por enquanto proibindo a entrada em seus territórios respectivos e congelando os bens e ativos financeiros de personalidades próximas ao presidente russo, Vladimir Putin, ou envolvidos na crise ucraniana.

Até agora, a China tratou de se manter à margem da crise ucraniana e foi o único país que se absteve no voto de uma resolução colocada pelo Ocidente para censurar o referendo separatista da Crimeia, que não foi aprovado pelo veto russo.