Barbosa volta a defender adoção de margem de flutuação fiscal

  • Por Agência Estado
  • 28/01/2016 19h55
Nelson Barbosa

O ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, defendeu nesta quinta-feira, 28, a criação de uma banda fiscal como parte de uma proposta de reforma. Nas palavras dele, a ideia seria implementar uma margem de flutuação fiscal. Hoje, a meta de superávit é fixa e tem sofrido alterações ao longo dos meses, com a aprovação do Congresso.

“O maior desafio é completar medidas de ajuste fiscal e evoluir para uma proposta de reforma fiscal de longo prazo”, disse. 

De acordo com o ministro, que concede entrevista após reunião do Conselhão, o encontro foi uma oportunidade para ouvir sugestões e críticas. Em avaliação de cenário, ele afirmou que a recuperação do saldo comercial foi bem mais rápida que o esperado, assim como a redução do déficit em conta corrente. “O volume de investimentos externos do Brasil neste ano será mais do que suficiente para cobrir déficit em conta corrente”, afirmou.

Como prioridades para o ano legislativo, Barbosa ressaltou a importância de aprovação da CPMF e da Desvinculação de Receitas da União (DRU). “São uma receita extra e um espaço extra para que possamos administrar a política econômica neste momento de volatilidade”.

Previdência

Barbosa ainda voltou a defender uma reforma da Previdência Social, que, segundo ele, terá uma proposta apresentada pelo governo ainda neste semestre. “Quanto mais cedo enfrentarmos essa questão, melhor vai ser a solução”, disse, ressaltando que serão respeitados direitos adquiridos, além de haver a previsão de regras de transição.