Bombeiros já controlam 95% dos incêndios no sul da Austrália

  • Por Agencia EFE
  • 07/01/2015 08h10

Sydney (Austrália), 7 jan (EFE).- Apesar das condições adversas, em um dia marcado por tempestades e altas temperaturas, que iniciaram novos focos de incêndios, os bombeiros já conseguiram controlar 95% do fogo que se alastrou pelo sul da Austrália, informaram nesta quarta-feira autoridades locais.

Pelo menos cerca de trinta pastagens e árvores queimaram hoje após serem atingidas por raios e devido ao calor na região, onde os termômetros chegaram a registrar mais de 40 graus após o meio-dia. Além disso, ventos de até 120 km/h atingem a localidade, segundo a emissora “ABC”.

Os incêndios que vem ocorrendo desde sexta-feira passada na periferia da cidade de Adelaide deixaram mais de 130 feridos, um deles em estado grave, e queimaram 32 casas, seis a menos do que foi calculado no boletim anterior. Os fogos arrasaram uma área de 12.500 hectares.

O chefe do Serviço de Bombeiros Rurais do estado da Austrália do Sul, Greg Nettleton, disse que o a principal preocupação é com a cidade de Paracombe e o Parque de Conservação Parra Wirra, situadas a cerca de 23 quilômetros ao nordeste de Adelaide.

“Embora esteja chovendo neste momento, o avivamento (das brasas) e a situação que as equipes enfrentam nesta área, com grandes pontos de calor, pode fazer com que os focos demorem a se esfriar e se extinguir”, afirmou Nettleton.

As equipes de emergência consideram que poderão conter o fogo nos próximos dois dias, quando as condições do tempo melhorarem.

O fogo começou no dia 2 de janeiro na cidade de Sampson Flat, a cerca de 38 quilômetros ao noroeste de Adelaide, e seus chamas se estenderam, impulsionadas pelos fortes ventos, por um perímetro de 240 quilômetros.

As altas temperaturas durante o verão contribuíram nos últimos anos para um aumento dos incêndios na Austrália, uma situação que os cientistas vinculam em parte ao aquecimento global causado pela mudança climática.

Estudos indicam que 2014 foi o terceiro ano mais quente na Austrália, depois de 2013 e 2005. As temperaturas começaram a ser registradas em 1910. EFE