Boston homenageia vítimas e mostra superação um ano depois do atentado

  • Por Agencia EFE
  • 15/04/2014 16h24

Boston (EUA), 15 abr (EFE).- Centenas de pessoas lembraram nesta terça-feira o primeiro aniversário do atentado da maratona de Boston, no qual morreram três espectadores, com uma cerimônia de homenagem na qual se exibiu com orgulho como a cidade conseguiu superar o trauma do terrorismo.

No centro de convenções Hynes, a poucos metros de onde ocorreram as explosões, foram homenageados Martin Richard (de oito anos), Krystle Campbell (29) e Lu Lingzi (23), que morreram nas duas explosões, e a Sean Collier (26), policial que morreu baleado vários dias depois no início da perseguição aos autores.

Familiares das vítimas, policiais, bombeiros, cirurgiões, psicólogos e voluntários que ajudaram as vítimas desde a dantesca cena de sangue e membros amputados após a explosão até o longo processo de reabilitação também foram aplaudidos.

O vice-presidente americano, Joe Biden, assegurou que o espírito dos sobreviventes é um exemplo que “os Estados Unidos jamais pode ser derrotados”.

Biden afirmou que as famílias das vítimas e os mais de 260 feridos são uma inspiração para todo o país e aqueles que sofrem uma tragédia. “Vocês subestimam o exemplo no qual se transformaram”, acrescentou.

O governador de Massachusetts, Deval Patrick, destacou como a cidade reagiu perante o atentado e como “demonstrou o triunfo do sentimento de comunidade”.

“Sabemos que não é fácil passar por essa linha a cada dia”, explicou Tom Menino, que foi prefeito da cidade durante quase 20 anos até este ano e levou uma das maiores ovações.

Duas coroas de flores marcam hoje os pontos da rua Boylston onde aconteceram as detonações, frente às quais os transeuntes se detém para tirar fotos, rezar ou guardar um momento de silêncio antes de retomar a rotina.

Os irmãos Tamerlan e Dzhokhar Tsarnaev, residentes na vizinha Cambridge, foram os responsáveis por colocar, na terceira segunda-feira de abril, Dia do Patriota e data da tradicional maratona da cidade, duas panelas de pressão com explosivos no meio da multidão.

Após três dias de investigação, os dois irmãos reapareceram em Cambridge matando Collier, agente do Instituto Tecnológico de Massachusetts (MIT) e iniciando uma espetacular fuga de quase 24 horas na qual Tamerlan foi abatido e Dzhokhar capturado. EFE