Brasil chegou a um ponto de decisão, diz Meirelles

  • Por Estadão Conteúdo
  • 23/06/2016 13h41
Brasília - O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, fala durante reunião com o presidente interino Michel Temer e líderes empresariais de vários setores produtivos, no Palácio do Planalto (José Cruz/Agência Brasil)Henrique Meirelles

O Brasil vive momento da maior importância porque chegou a um ponto de decisão, de acordo com Henrique Meirelles, ministro da Fazenda. “Esse ponto é agonizado pela nossa crise econômica, dependendo dos resultados desse ano, nós teremos a maior recessão economia brasileira desde que começou a ser medido o PIB, em 1992”, ponderou, durante palestra no Ciab, promovido pela Federação Brasileira de Bancos (Febraban), na capital paulista.

De acordo com o economista, a crise atual é pior que a de 1929 e levou o desemprego ao patamar atual de mais de dez milhões de desocupados no Brasil. Meirelles lembrou ainda que o cenário atual contamina o processo de funcionamento da economia, com aumento “muito grande” de incertezas, declínio nas decisões de consumo, investimento e contratação.

“Tenho recebido setores da economia e industriais, por exemplo, que reportam ociosidade acima de 40%. É uma situação dramática. Há pátio de fábricas parados, com investimentos recentes em 50% de sua capacidade”, destacou. 

O ministro afirmou ainda que o Brasil tem de enfrentar a situação atual. Segundo sua tese, estudos mostram que os países só saíram de crises através de identificação e resolução dos principais problemas que os afetavam mais diretamente naquele momento, “a tentativa desorganizada de atacar todo tipo de problema demanda muito esforço, impressiona bem em termos de resultados, mas mostram serem basicamente ineficazes”.

No início de seu discurso, o chefe da Fazenda comentou sobre a possibilidade de a tecnologia, foco do evento voltado ao setor bancário, melhorar o relacionamento da sociedade com o sistema financeiro. Segundo ele, a tecnologia abre as portas para aumentar a velocidade das transações a um custo mais baixo, melhorar serviços, mas, principalmente, começar a mudar a relação da sociedade com o dinheiro. 

“A tecnologia atual não só é o presente, mas, cada vez mais, o futuro. E-commerce chega a transações financeiras para ficar e começar a mudar a relação da sociedade com o dinheiro e o sistema financeiro. Ainda hoje tem relação muitas vezes percebida de dificuldade de serviços. A tecnologia pode, cada vez mais, resolver essa questão. É um desafio”, projetou.

A fala de Meirelles estava prevista para começar às 10 horas, mas atrasou por conta de um forte nevoeiro que levou ao fechamento do Aeroporto de Congonhas para pousos e decolagens, impedindo a aterrissagem do avião do economista na capital paulista no horário previsto.