Brasil emite ‘sinal de mudança positiva na dinâmica do crescimento’, diz OCDE

  • Por Estadão Conteúdo
  • 08/06/2016 10h26
OECD Conference Centre Entrance, New 50th Logo/Banner 31st January, 2011 Paris, FranceOCDE

O Brasil ainda sofre com a profunda recessão, mas dados apontam para uma tendência futura da economia trazem um “sinal de mudança positiva na dinâmica do crescimento”. A avaliação consta de uma pesquisa da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). O estudo reconhece que a atividade econômica emite sinais de reação, mas segue abaixo da média histórica.

Mensalmente, a OCDE calcula o chamado Indicador Composto Avançado (CLI, na sigla em inglês) para tentar antecipar mudanças nos ciclos econômicos dos países e blocos internacionais. O dado relativo ao Brasil subiu de 98,35, em março, para 98,79 em abril, mês anterior ao afastamento da presidente Dilma Rousseff.

A alta de abril foi a oitava consecutiva do indicador brasileiro. Essa tendência tem ganho alguma velocidade, já que a elevação havia sido de 0,05%, em dezembro de 2015, para 0,13% em janeiro, 0,26% em fevereiro, 0,38% em março até atingir os 0,45% de abril. Apesar de indícios positivos, o dado segue abaixo de 100, o que indica que a atividade ainda está abaixo da média histórica para o País. 

Na comparação anual, o indicador brasileiro acumulou alta de 1,28%. Entre os 15 grandes países e blocos econômicos, essa foi a maior alta anual. Na comparação mensal, o número brasileiro só ficou atrás da Rússia, cuja alta foi de 0,56% ante março, que apontava cifras de 99,2. Brasil e Rússia são os dois países que emitem “sinal de mudança benéficos”, diz a OCDE.

Entre os demais países, a maioria das economias desenvolvidas sinaliza “dinâmica estável de crescimento” como Alemanha, França, Japão, Canadá, zona do euro e o conjunto dos 33 países da OCDE. O indicador dos Estados Unidos (dado em 98,9) aponta para a “estabilização do crescimento”, enquanto Itália e Reino Unido sinalizam “desaceleração do crescimento”, cita a pesquisa.

Entre os emergentes, a China tem demonstrado “estabilização da dinâmica do crescimento”, com leitura em 98,4. Já a Índia tem demonstrado “crescimento firme”, com CLI em 100,4. 

Nesse estudo, a OCDE avalia a dinâmica da tendência financeira com base em uma série de indicadores antecedentes, como estágios iniciais da produção, expectativa para a atividade futura e variáveis relacionadas às políticas econômicas entre outros sinais. O número oscila em torno de 100, patamar que marca o ritmo de crescimento histórico de cada Estado. Abaixo desse nível, o indicador mostra que a atividade está abaixo da média. Acima, mostra crescimento mais forte.