Brasil enviará 2, 5 milhões de doses de vacina para a África

  • Por Estadão Conteúdo
  • 07/07/2016 12h46
epaselect ANGOLA YELLOW FEVERFebre Amarela

O Brasil fechou um acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS) para abastecer uma campanha inédita de vacinação contra a febre amarela na África. O governo brasileiro enviará 2,5 milhões de doses que farão parte de um plano internacional para frear o surto da doença a partir de julho. A agência de saúde da Organização das Nações Unidas (ONU) também apontou que o governo brasileiro indicou que poderia até mesmo ampliar a oferta, com um total de 5 milhões de doses em um segundo momento

A partir do final deste mês, a Organização iniciará um plano para vacinar 15 milhões de pessoas na República Democrática do Congo e em Angola. Para isso, a entidade lançou um apelo para coletar doações de governos no valor de US$ 20 milhões e, assim, completar os recursos em torno de US$ 14 milhões já existentes nos cofres da entidade. 

Desde o início do ano, 14 milhões de pessoas já foram vacinadas e, até o final de 2016, a meta é de se chegar a 30 milhões de pessoas. “Isso é sem precedentes”, disse Bruce Aylward, diretor da OMS para Epidemias. 

Em dezembro, a OMS registrou os primeiros casos de febre amarela em Luanda, capital angolana, o que deixou o órgão alarmado diante do risco de uma proliferação em centros urbanos de uma doença que estava concentrada apenas em áreas rurais. Nas avaliações internas da entidade, o risco era de que o número de pessoas contaminadas poderia ser a pior de todas em uma das regiões mais pobres do mundo.

Desde então, 3,5 mil casos foram registrados em Angloa, com cerca de 300 mortes. Nos últimos três meses, o Congo já somou 1,3 mil casos de febre amarela, com 75 mortes. Segundo os dados, o número de casos caiu, nas últimas semanas, diante da chegada do inverno no Hemisfério Sul.

Mas, para Aylward, se o surto não for congelado imediatamente, existe um forte risco de que ganhe outros países africanos, “se não fizermos essa ampla campanha de vacinação, o risco é de que tenhamos uma explosão no número de casos, a partir de setembro, e em certos urbanos”, alertou.

Diante da emergência do caso, a diretora-geral da OMS, Margaret Chan, pediu ao Brasil para que avaliasse a capacidade de abastecer os estoques internacionais, já que são apenas quatro o número de empresas que produzem a vacina, Margaret relatou que “a resposta foi positiva e estamos muito impressionados com a postura do Brasil. Em casos de surtos mundiais, os países normalmente fecham seus estoques para se proteger e garantir o abastecimento à sua população, mas o Brasil decidiu ampliar sua produção e é exatamente isso que outros países devem fazer.” 

Segundo os especialistas, parte do envio brasileiro será uma doação e parte será comprada, “estamos negociando isso neste momento”, indicou.

Em sua avaliação, a dose da vacina vinda de terras brasileiras é “especialmente valiosa” por ser capaz de ser fracionada em duas e, ainda assim, atender à exigência de imunização. Por causa da falta de produtos no mercado, a OMS vai dar apenas metade de uma dose em determinadas regiões, na esperança de atingir o máximo número de pessoas possível até o fim de agosto.