Brasil terá colheita recorde e maior que as previsões neste ano

  • Por EFE
  • 12/05/2015 11h56
grãos 090910

O Brasil terá neste ano uma colheita de 201 milhões de toneladas de grãos, um volume recorde e também superior ao que era previsto nos primeiros meses de 2015, quando a grave seca enfrentada pelo país gerou dúvidas sobre a produção agrícola, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE).

A produção de cereais, leguminosas e oleaginosas deste ano superará em 4,2% a de 2014 (192,9 milhões de toneladas), até agora a maior colheita da história do país, um dos maiores produtores e exportadores mundiais de alimentos, segundo a previsão divulgada nesta segunda-feira pelo órgão.

A nova projeção foi elaborada com base nas visitas ao campo feitas em abril pelos técnicos do IBGE e supera em 0,6% a que foi calculada em março (199,7 milhões de toneladas) e igualmente a prevista em fevereiro, quando o país ainda enfrentava uma crise hídrica que ameaçou o abastecimento de algumas cidades.

O IBGE calcula a área que será colhida pelos produtores de grãos neste ano em 57,5 milhões de hectares, com um crescimento de 2% em relação à de 2014 (56,4 milhões de hectares) e de 0,4% em comparação com a calculada em março (57,3 milhões de hectares).

A soja, o milho e o arroz, os principais produtos do país, representarão juntos 91,6% da produção brasileira de grãos e 85,4% da área colhida.

O aumento da produção agrícola brasileira neste ano será impulsionado principalmente pela soja, cuja colheita crescerá 10,6%, até um recorde de 95,6 milhões de toneladas, e representará praticamente a metade de todos os grãos recolhidos pelo Brasil e da área plantada.

A produção de milho chegará a 76,3 milhões de toneladas, com uma redução de 3,1% apesar de que a área semeada com este cereal crescerá em 0,1%.

Segundo o IBGE, a colheita da cana de açúcar, da qual o Brasil é o maior produtor mundial, chegará a 678,9 milhões de toneladas neste ano, com uma redução de 1,4% em comparação à de 2014.

Segundo o IBGE, dos 26 produtos analisados, 11 terão maior colheita neste ano em relação a 2014.

Além da soja, também se destacará o crescimento da produção de aveia (22,6%), cevada (10,0%), trigo (26,7%), rícino (140,4%) e mandioca (5,1%).

Entre os 15 produtos cuja colheita será reduzida neste ano, destaque para algodão (-10,9%), cacau (-10,9%), cana de açúcar (-1,4%), cebola (-4,4%), laranja (-7,0%) e sorgo (-12,2%).