Aécio Neves e Dilma Rousseff começam terceiro bloco

  • Por Jovem Pan
  • 16/10/2014 19h09

O terceiro bloco do debate promovido pela Jovem Pan, Uol e SBT começa com pergunta da candidata Dilma Rousseff. Confira abaixo o embate entre o tucano e a petista.

Pergunta de Dilma Rousseff – Candidato, todos os anos, 40 mil pessoas morrem e outras centenas de pessoas sofrem consequências por acidentes de trânsito. Muitos desses acidentes decorrem porque há motoristas dirigindo embriagados ou drogados. Em 2012, eu sancionei a Lei Seca que punia com dureza todos aqueles que causassem ferimentos ou mortes sob droga ou álcool. Candidato, eu queria saber, o que senhor acha e como o senhor vê essa questão da Lei Seca e se todo cidadão que for acionado, que for solicitado, deve se dispor a fazer exame de álcool e droga?

Resposta de Aécio Neves – Candidata, tenha coragem de fazer a pergunta direto. É claro que essa é uma iniciativa extraordinária. Não é sua. O Congresso Nacional, candidata, implementado em todos os governos. A senhora traz nesse debate, talvez pelo desespero, e tenta deturpar um tema que tem que ser colocado com absoluta clareza. Eu tive um episódio sim, e reconheci, candidata, eu tenho uma capacidade que a senhora não tem. Eu tive um episódio que parei numa Lei Seca porque minha carteira estava vencida e ali naquele momento inadvertidamente não fiz o exame e me desculpei disso. Como a senhora não se arrepende de nada no seu governo. É importante que nós olhemos para frente. Vamos falar do Brasil, explique aqui, candidata, por que a senhora mantém hoje nomeado, por exemplo, na Itaipu binacional o tesoureiro do seu partido, que recebia propina para alimentar a sua campanha, candidata Dilma Rousseff. Vamos falar de coisas sérias. Vamos falar como melhorar a saúde das pessoas, como melhorar a Segurança Pública, candidata. Não é possível que a senhora queira aqui fazer a mais baixa das campanhas eleitorais até aqui. Não é possível, candidata, que esse mar de lama em que se transformaram as redes, onde a senhora ofende a mim, onde sua campanha ofende a minha família, a senhora está ofendendo a todos os brasileiros que querem mudança, candidata. A senhora, infelizmente, por não ter tido a oportunidade de ao longo da sua vida ter outras disputas, foi ungida Presidente da República por um presidente muito popular, acha que é dona da verdade. Não é, candidata. O seu governo fracassou. E a senhora caminha para perder essas eleições pela incapacidade que demonstrou inclusive de respeitar os seus adversários, candidata. A senhora não trouxe durante todo esse nosso debate uma proposta sequer que melhore a vida do cidadão, que melhore a saúde pública, que melhore a segurança. A senhora parece que não foi Presidente da República, candidata. Olhe para o futuro, tire os olhos do retrovisor do passado, pense nos brasileiros, candidata.

Réplica de Dilma Rousseff – Candidato, eu acho muito importante a Lei Seca para o Brasil, e acho que o senhor está tentando diminui-la. Sabe por quê, candidato? Porque no Brasil todos os dias, todas as semanas, tem gente morrendo por acidentes de trânsito quando um motorista dirige ou embriagado ou drogado. Então, candidato, eu acho que a gente tem de tratar esse assunto com mais cuidado, e com mais seriedade. Porque depende dele muitas vezes a vida ou a morte dos nossos jovens. Por isso, candidato, não é uma coisa que o senhor, porque passou por uma experiência pessoalíssima e tanto. Acredito, candidato, que ninguém pode sem sofrer as consequências, dirigir nem drogado nem bêbado. Eu, candidato, não dirijo sob álcool e droga. E isso é uma questão que não é afeta só a mim, eu acho que deve ser afeta a todos os brasileiros. Agora, acredito, candidato, que a Lei Seca trouxe um bem para o país. Trouxe um bem para os nossos jovens e para os nossos adolescentes.

Tréplica de Aécio Neves – Tampouco eu, candidata, mentir e insinuar ofensas como essa não é digno de qualquer cidadão, mas é indigno por uma Presidente da República, candidata, a sua campanha é a campanha da mentira. A senhora mentiu dizendo, postou um vídeo que eu havia votado contra o salário mínimo de 545 reais, cortou o vídeo na sequência quando mostrava que nós votamos a favor do salário mínimo de 600 reais para fraudar uma informação. A senhora no seu Twitter, candidata, disse que Minas Gerais teve a menor redução da taxa de mortalidade infantil do Brasil. Mentiu, candidata. Minas Gerais, no meu tempo de governo, foi o estado que mais reduziu a mortalidade entre todos os estados do Sudeste, do Sul, e do Centro-Oeste, candidata. A senhora disse no último debate que construiu 3.750 milhões  de casas, a senhora mentiu, a senhora construiu metade disso, candidata. Fale a verdade, o Brasil não merece a campanha que a senhora está querendo fazer.

 

Aécio Neves pergunta – Eu vou novamente na questão, da verdade e da mentira. Nós somos, candidata, candidatos da presidência da República. É preciso que haja um limite. Que haja um limite nas nossas posturas e também na ação daqueles que nos cercam. Os brasileiros querem saber o que vai acontecer com suas vidas a partir de primeiro de janeiro. A senhora não permitiu que os brasileiros tivessem um programa de governo para analisar, para avaliar. A senhora prefere a campanha da mentira, e é essa questão que eu lhe faço agora. A senhora chegou ao cúmulo de mandar sua equipe de filmagem, filmar uma escola, a escola Barão de Macaúbas, num domingo, no dia 12 de outubro, quando ninguém estava lá, para mostrar que a obra estava parada e que a escola não funcionava. A senhora fraudou a informação, candidata. A pergunta que eu lhe faço é a seguinte, a senhora não tem nada para mostrar aos brasileiros e por isso precisa mentir tanto o tempo inteiro, candidata?

Resposta de Dilma Rousseff – Candidato, acho aqui, quem mente é o senhor, e acho que essa história da escola de Macaúbas é uma dedução do senhor que o senhor tenta atribuir a mim. Agora, candidato, eu quero dizer o seguinte, acredito que se o senhor tiver o mínimo de discernimento, o senhor vai reconhecer que apesar do que o senhor disse, o seu governo não gastou nem em Educação, nem em Saúde o que era o correto e o necessário. O senhor atribui a outros que mudaram o cálculo, não incluíram o que devia ser incluído. A verdade, candidato, é que somado, subtraído e dividido, o governo do senhor deixou de investir 7,8 milhões, bilhões, desculpa, bilhões na Saúde, e 8 bilhões na Educação. O senhor diz que não é assim. Mas esse, candidato, é um cálculo claro e bem feito sobre o Governo do Estado de Minas Gerais. O senhor se furta a responder isso. Vocês foram obrigados a assinar um Termo de Ajustamento de Conduta, melhor dizendo, o Termo de Ajustamento de Gestão, que foi uma variante que o Tribunal de Contas do Estado de Minas usou para fazer um acordo com vocês. Acordo esse que era para vocês cumprirem a partir daí. Candidato, eu me pergunto e me pergunto mesmo: Como é que o senhor acha que o senhor pode sentar aqui, e numa questão tão delicada como a Saúde e a Educação no Brasil, o senhor se furtar a explicar por que o senhor teve de assinar um Termo de Ajustamento de Gestão, e de repente  o site do Tribunal de Contas do Estado saiu do ar.

Réplica de Aécio Neves – Candidata, a senhora tem ofendido Minas Gerais todos os instantes e em todos os debates. A senhora não tem conhecimento do que aconteceu no nosso Estado. Minas Gerais, pela força dos seus servidores, da sua gente, é um Estado respeitado no Brasil, respeitado internacionalmente. Se a senhora for ao Banco Mundial, o exemplo de gestão eficiente quem tem é Minas Gerais, se for ao Ministério da Educação, e encontrar alguém lá, porque ninguém encontra Ministro do seu governo em lugar nenhum, a não ser no auditório ou na campanha eleitoral, vai saber que Minas Gerais tem a melhor educação fundamental do Brasil. Se for ao Ministério da Saúde, candidata, vai ver que Minas Gerais tem a melhor saúde pública de toda a região Sudeste. E se quiser gastar um tempo lendo a decisão do Tribunal de Contas, para não repetir o que o seu marqueteiro escreve para a senhora, a senhora lerá o seguinte: As contas do governo no exercício de 2003, 2010, do então governador Aécio Neves, tiveram parecer por unanimidade, candidata.

Tréplica de Dilma Rousseff – Candidato, não coloque Minas Gerais como sendo o senhor. O senhor não é Minas Gerais, candidato. Eu nasci em Minas. Aliás, antes do senhor. Se é por isso, nasci bem antes do senhor. E quero dizer para o senhor que eu saí de Minas, candidato, não foi para passear no Rio de Janeiro. Eu saí de Minas porque fui perseguida. E é por isso que eu passei uma parte da minha juventude fora de Minas. E lamento muito. Agora, queria dizer que Minas não se confunde com o senhor, não tente que eu não vou concordar com isso. E mais, nem os mineiros se confundem. E queria dizer também que esta questão é muito séria, candidato. Essa que nós estamos discutindo. Por quê? Porque nós temos de saber tudo o que nós falamos aqui hoje. Nós temos de saber, o que fica para a população brasileira? O que ela vai absorver disso tudo? Sabe o que ela vai absorver, candidato? É que tem perspectivas diferentes aqui. Eu e o senhor não temos a mesma visão.

 

Dilma Rousseff pergunta – Candidato, o senhor não respondeu ainda a questão do aeroporto de Cláudio. Eu vou dizer por que eu vou colocar essa questão. O Brasil hoje passa por um momento muito importante. Nós estamos retomando todos os investimentos, e estamos ampliando esses investimentos em aeroportos, e em portos. Fundamentalmente nesses dois, nessas duas áreas. Ora. O governo de Minas tem de revelar uma informação que é como é que o aeroporto de Cláudio, que era um aeroporto pequeno, de 25, numa cidade de 25 mil habitantes, foi construído e foi construído dentro da fazenda do seu tio, ao mesmo tempo que lá em Montezuma outro aeroporto nas mesmas condições foi construído.

Aécio Neves responde – É muito triste ver uma presidente da República mentindo. O aeroporto de Cláudio, candidata, a senhora está cansada de saber disso, foi construída numa área desapropriada pelo estado para beneficiar uma região que cresce economicamente. Minas tem 92 entre pequenos, médios e grandes aeroportos, candidata. Vamos falar do governo federal, a não ser que a senhora queira no futuro, talvez desempregada, a partir de primeiro de janeiro, ser candidata ao governo de Minas, aí terá tempo para discutir Minas Gerais. Onde estão os 800 aeroportos regionais que a senhora prometeu construir, candidata? Em lugar algum. Porque o seu governo é o governo das promessas vazias, candidata. A senhora é que deixa o Brasil sem resposta. Todas as minhas obras em Minas Gerais tiveram aprovação do Tribunal de Contas, tiveram aprovação do Ministério Público, candidata. Ao contrário das suas, com sobrepreço todo o tempo. Que providências a senhora vai tomar, candidata, com o tesoureiro do seu partido, que a senhora nomeou para Conselheiro de Itaipu Binacional, esse que recebia 2%, segundo o senhor Paulo Roberto. É tudo normal ou a senhora está em condições de demiti-lo? Eu sou candidato, com uma vida pública honrada, respeitada, por isso deixei o meu governo em Minas com 92% de aprovação, candidata. E é por isso que nessa eleição Minas Gerais novamente se encaminha para me dar mais uma vitória, basta ver as últimas pesquisas. Vamos deixar os mineiros em paz, candidata. Os mineiros sabem o que fazem. Vamos discutir o Brasil. Aonde estão as atitudes do seu governo para com o futuro do Brasil, dos brasileiros que nos ouvem? Quem ligar a televisão desavisadamente vai achar que a candidata quer disputar o governo de Minas ou a Prefeitura de Belo Horizonte. Diga o que vai fazer para acabar com a corrupção que tomou conta do governo federal.

Réplica de Dilma Rousseff – Vou dizer uma coisa, eu teria muita honra de ser candidata pelo governo de Minas, acho Minas Gerais e Belo Horizonte um estado e uma cidade que eu gosto muito, porque foi lá que eu nasci. Então, candidato, o que eu quero dizer para o senhor é que no caso do aeroporto de Cláudio, o senhor deve sim explicação. O senhor deve explicação porque o senhor construiu um aeroporto dentro de uma propriedade, expropriou um pedaço, mas construiu, e quando um órgão de imprensa foi buscar a chave, a chave estava guardada com um parente seu. Em Montezuma ocorreu uma coisa muito similar, só que Montezuma, além disso, era uma cidade muito pequena. Candidato, uma das coisas mais importantes no país é que nós não podemos mais tolerar o uso de bens públicos para beneficiar “A”, “B”  ou “C”, privadamente. Esta é uma questão, candidato, que nenhum candidato a Presidente da República pode se furtar a responder.

Tréplica de Aécio Neves – Candidata, a senhora foge sempre da disputa e do debate. A senhora não tem o quê mostrar mais ao Brasil. O seu governo, candidata, está vivendo tanta corrupção, tanto descaso com os problemas das pessoas. Candidata, a senhora acabou, no debate, de afirmar que com a inflação vai tudo bem, a senhora está achando que com o tráfico de drogas, o controle das nossas fronteiras vai muito bem. Que governo a senhora quer oferecer aos brasileiros, candidata? Vá a Minas Gerais um pouco mais, caminhe um pouco mais por Minas Gerais, candidata. Agora, caminhe com respeito aos mineiros e às transformações que ocorreram no nosso estado, transformações extraordinárias, candidata. Eu respeito a sua história. Eu não a desrespeito, candidata. Agora, peço que respeite a minha. Exatamente nesse mês, há trinta anos atrás eu estava na campanha das Diretas e depois na campanha de Tancredo ajudando o Brasil se reencontrar com a democracia, infelizmente com o voto contrário do PT, o seu partido.

 

Pergunta de Aécio Neves – Candidata Dilma Rousseff, todos nós temos a nossa formação, aqui estão nos ouvindo hoje famílias de brasileiros de regiões diferentes, de credos religiosos diferentes. A senhora, no último debate do primeiro turno, disse textualmente o seguinte; vou abrir aspas para a senhora: “Não acredito que tenha alguém acima da corrupção”. E depois continuou, abro aspas para a senhora: “Todo mundo pode cometer corrupção”. Será que é isso que a Presidente da República tem a ensinar aos brasileiros, candidata? Honestidade? Responsabilidade para com nossos atos e daqueles que nós nomeamos é algo essencial para quem quer fazer vida pública. A senhora terceiriza sempre as responsabilidades, portanto eu quero lhe dar oportunidade de se desculpar com os brasileiros por essa afirmação, que acredito que não tenha alguém acima de corrupção.

Resposta de Dilma Rousseff – Candidato, o que eu acho que o senhor faz, sabe o que o senhor faz? O senhor manipula palavras. E aí estarrece o segundo fato. O senhor se acha acima de qualquer crítica ou avaliação. O senhor disse que se te atacar está atacando Minas, esta é uma mentira, candidato. Porque Minas Gerais não é o senhor. O senhor é um dos mineiros. E isso não significa que o senhor seja, e que possa falar em nome de toda Minas Gerais. Então quero dizer o seguinte, candidato, é errado sim colocar e pegar um aeroporto privado, feito com o dinheiro público na fazenda de um tio. O senhor querendo ou não tergiversar sobre esse assunto é errado. Não se faz isso, candidato. Isso é feio. Outra questão, candidato, outra questão que eu julgo muito importante. Eu acredito sinceramente que ninguém está acima de qualquer coisa, ninguém está acima de qualquer coisa. Agora tem o atestado, nós temos como homens públicos e mulheres públicas provar a cada dia, candidato, que nós temos respeito pela coisa pública, que nós não mexemos, não mexemos com o dinheiro público em nosso benefício, em benefício de parentes nossos, não mexemos com a coisa pública em benefício de quem quer que seja, a não ser do povo brasileiro. Sabe o que é isso? Isso, candidato, é um critério arraigado dentro da gente. Chama-se um critério republicano, o dinheiro é coisa pública. Quando a gente está no governo, o dinheiro é coisa pública. Ninguém pode tergiversar sobre isso.

Réplica de Aécio Neves – Lamento que a candidata não respeite as instituições. O Ministério Público, não é nessa obra, candidata, em todas as obras do meu governo disse que estavam corretíssimas, é o contrário do que acontece no seu governo e a senhora não respondeu a frase que disse, está gravado, todo mundo pode cometer corrupção. Não pode não, candidata. Ninguém pode cometer corrupção. A senhora tem é que tomar as providências e dizer ao Brasil o que é que aconteceu na Petrobras. A senhora conduziu com mão de ferro durante doze anos, fez questão de dizer a todo mundo quem mandava na empresa. E durante doze anos essa empresa vem colocando sobrepreço nas obras públicas para beneficiar sua base de sustentação, candidata. Esse é o fato real. É isso que causa indignação em todos os brasileiros. É por isso que eu estou aqui como candidato à Presidência da República, porque o Brasil quer, quer se livrar desse governo, o Brasil quer um tempo novo, um tempo de otimismo, de seriedade, e também de honestidade no gasto do dinheiro público.

Tréplica de Aécio Neves – Candidato, candidato… Você não é um cidadão acima de qualquer suspeita, candidato. Isso não é republicano. Todos nós, candidatos, podemos e temos de aceitar que somos iguais perante a lei. Então, o que suspeitam do senhor ou o que suspeitam de mim é o que suspeitam de qualquer um. Nós, candidato, temos de provar o que somos, exercemos atividade pública, nós temos de provar, candidato, que nós estamos além da suspeita. Então, o senhor me desculpe. O senhor, nem eu nem o senhor estamos além da suspeita. Todos os dias nós vamos ter de provar a nossa integridade e a nossa honradez, candidato. Essa é uma questão exigida dos homens e das mulheres públicas.

 

Considerações finais de Dilma Rousseff – Olha, eu queria te dizer em primeiro lugar, viu, eu agradeço ao SBT, agradeço ao candidato, e agradeço a todos que nos assistiram hoje. Ao contrário do que ocorria no passado, quando governos de elite só viam as elites, hoje eu acredito que o meu governo olha para todo o povo brasileiro. Eu tenho certeza de que o Brasil está mudando. Eu tenho certeza que o Brasil está mudando para melhor. Acredito que o povo brasileiro hoje tem alternativas que nunca teve antes. No que se refere a emprego, no que se refere a oportunidades de estudo e de educação, no que se refere a construção de uma vida melhor. Nós vivemos um momento muito especial, um momento em que a crise internacional afeta a economia brasileira. Mas nós saímos dessa crise e enfrentamos ela de peito aberto fazendo o quê? Garantindo emprego, garantindo a renda, e lutando sistematicamente para que o nosso país viva melhor. Reeleita, eu quero fazer ainda mais, eu quero garantir a todos os brasileiros educação de qualidade, saúde de qualidade, e quero também manter essa trajetória de distribuição de renda, que melhora a vida de todos os brasileiros e de todas as brasileiras.

Considerações finais de Aécio Neves – Agradeço ao SBT, cumprimento a candidata, e digo ao telespectador que quero sim ser Presidente da República e me preparei para isso, porque o Brasil não pode viver mais quatro anos de tamanho desgoverno. Eu quero sim assumir a Presidência da República para combater a inflação, e não para me conformar com ela, eu quero ser Presidente da República para enfrentar a questão da criminalidade, e não transferir essa responsabilidade para estados e municípios. Eu quero ser Presidente da República não para dividir de forma perversa e pouco generosa o Brasil entre nós e eles. Eu quero ser o grande Presidente da integração nacional, Presidente da generosidade para com os brasileiros que mais precisam. Da integração do Nordeste ao nosso projeto de desenvolvimento. Um Presidente não que trate o adversário como inimigo a ser abatido a qualquer custo, que respeite a verdade. Eu quero ser Presidente da República para que amanhã, se eventualmente estiver numa outra disputa, eu possa permitir aos meus adversários falarem das suas propostas, não é possível que numa eleição dessa importância tenha se perdido tanto tempo em tantas ofensas, às mesmas ofensas que foram dirigidas a Eduardo Campos, depois a Marina Silva, agora são dirigidas a mim. Mas comigo não, candidata, comigo pode ter certeza, a senhora receberá sempre um olhar altivo, de um homem de bem, honrado, pronto para dar ao Brasil e aos brasileiros um destino melhor do que eles estão tendo.